Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Ficção e Fabricação: Fotografia de Arquitetura Após a Revolução Digital


Coletiva
MAAT, Lisboa

A metade do céu


Coletiva
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Contraprova - 10 anos de Gravura


Coletiva
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

Astray / Anuário - Uma visão retrospetiva da arte no Porto


Caroline Mesquita / Coletiva
Galeria Municipal do Porto, Porto

Ted Joans: Exquisite Corpse


David Hammons
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

Sob o Signo de Saturno


Pedro Valdez Cardoso
quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes

Arte em Estado de Guerra


Stefano Serafin
Galeria Av. Índia, Lisboa

ESBOÇOS DE TÉCNICAS INTERIORES


STEVE PAXTON
Culturgest, Lisboa

Mafalda Santos & Pedro Casqueiro


Mafalda Santos e Pedro Casqueiro
Galeria Presença (Lisboa), Lisboa

Ideias de Intimidade


Colectiva
NOTE - Galeria de Arquitectura, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JORGE QUEIROZ

A Invenção do Sim e do Não




ZDB - GALERIA ZÉ DOS BOIS
Rua da Barroca, 59
1200-049 LISBOA

15 MAI - 01 SET 2018


Inauguração: dia 17 de Maio, às 22h, na ZDB

Curadoria de Natxo Checa

A Galeria Zé dos Bois apresenta, entre 17 de Maio e 01 de Setembro, a mais recente exposição individual de Jorge Queiroz. Composta por obras realizadas entre 2010 e a actualidade, A Invenção do Sim e do Não oferece ao público uma viagem pelo período durante o qual o artista intensificou a sua produção em pintura sobre tela.

As cerca de trinta obras agora reunidas apresentam-nos vislumbres de um universo onde personagens – frequentemente truncados, meramente sugeridos – coabitam e interagem no limiar da sua própria dissolução em pintura. Da mesma forma, os espaços que os enquadram são de natureza ectópica, fragmentando-se e sucedendo- se numa sequência caleidoscópica cujo encadeamento é determinado pela regra da metamorfose.

Na verdade, tudo no universo de Jorge Queiroz se encontra em processo de mutação, fusão ou desaparição. A sua prática é como que uma transposição para o mundo pictórico das dinâmicas do pensamento lateral: uma forma de raciocínio que pretere as lógicas funcionais e os métodos hierárquicos a favor de uma deriva generalizada entre categorias, formas, imagens, sensações e intensidades, transformando toda a experiência visual num fluxo ininterrupto de espanto e descoberta.