Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS RAÍZES TAMBÉM SE CRIAM NO BETÃO


Kader Attia
Culturgest, Lisboa

Constelação | Da dobra e do corte


Cutileiro | José Guimarães
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

QUERELA


Liz Craft
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Oh Fuck Yeah


Colin Ginks
A Montanha, Lisboa

Vaivém


Bruno Pacheco
Galeria Quadrum, Lisboa

Pairar adentro


Inês Teles
Acervo - Arte Contemporânea, Lisboa

Marcas - Obras do Acervo Histórico Videobrasil


COLECTIVA
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Uma Loja, Cinco Casas e Uma Escola


Colectiva
Casa Bernardo, Caldas da Rainha

Uma Pequena História da Linha. Seleção de Desenhos da Coleção do Ar.Co


Colectiva
Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada

Vistas Inéditas de Portugal


Carlos Relvas (1838 - 1894)
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


CARLOS MENSIL

Pensar no vazio




GALERIA PRESENÇA (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 570
4050-379 PORTO

09 JUN - 15 SET 2018


Inauguração: 9 de Junho de 2018, às 16h, na Galeria Presença


O vazio é entendido, aqui, não como uma ausência de referências ou experiências, mas antes como uma atitude independente na qual o artista, de forma irónica, procura apoderar-se do mundo enquanto o mundo parece apoderar-se dos artistas.
Questionando o compromisso com a verdade, ou com a mentira, a única alusão à realidade é a uma espécie de realidade alternativa que coloca em perspetiva as inquietações do artista.
Carlos Mensil apresenta uma exposição composta por 14 peças, que refletem questões que vêm acompanhando o seu trabalho. No entanto, em alguns casos, as peças ganham movimento pelo recurso a motores, imanes e elementos complementares, que apesar da sua complexidade estrutural resultam, aparentemente, numa subtileza formal que mexe e faz mexer.