Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Olhares Mútuos


Sophia e Maria Helena
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Lost Lover


Coletiva
Rampa, Porto

>e(c(o< / Rio de Parede


Pedro Tudela & Artur Lescher
Kubikgallery, Porto

(In)dispensável ou A pintura que inquieta a colecção do museu


Rui Macedo
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

África Diversidade Comum


Coletiva
Movart, Lisboa

Tu sei la noite


Anna Franceschini
Galeria Vera Cortês, Lisboa

O.F.F LAND


Pedro Calhau
Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa

A Pele do Fantasma


JOÃO MARIA GUSMÃO + PEDRO PAIVA
Colecção Maria e Armando Cabral, Lisboa

Mamografias por Satélite


Rodrigo Gomes
The Room - video project, Lisboa

Gaze Dithering


David Maljković
Galeria Francisco Fino, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MANUEL ROSA

CLAREIRA




SOCIEDADE NACIONAL DE BELAS ARTES
Rua Barata Salgueiro, 36
1250-044 LISBOA

08 JUN - 21 JUL 2018


INAUGURAÇÃO: 8 Junho, 18h30


Manuel Rosa
CLAREIRA

Curadoria: Manuel Costa Cabral Nuno Faria




MATERIALISMO ESPIRITUAL

Clareira, 1984-2018 marca o aguardado regresso da escultura de Manuel Rosa à visibilidade pública.
A exposição, de cariz antológico, cobre todo o percurso do artista, integrando ainda peças novas, produzidas especificamente para a ocasião.
Clareira constitui-se, assim, como o mais extenso panorama do trabalho de um dos mais singulares e originais escultores surgidos na década de 1980 em Portugal, cujo percurso foi perdendo gradualmente intensidade em benefício do importante trabalho que há décadas desenvolve enquanto editor.
O vocabulário de Manuel Rosa é amplo em termos formais, temáticos e materiais. É um trabalho que, entre referências à escultura primitiva e pré-clássica, à Arte Povera e à geração de escultores britânicos surgida nos anos 80 do século passado, se destacou pela forma como construiu um forte sentimento de intemporalidade, por um lado, e uma intensa ligação à terra e aos materiais do lugar, por outro.
Reiterando, por um lado, arquétipos poderosos — a casa, o barco, o corpo humano —, e, por outro, objectos sem aura, de uso corrente ou índole industrial — cabaças, bolas, baterias de automóvel —, o artista opera, com desconcertante liberdade processual, uma ininterrupta circulação entre energia e forma, figura e sombra, cheio e vazio, totalidade e fragmento, pequena e grande escala, o efémero e o perene.

Nuno Faria
Maio de 2018