Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Once in a lifetime [repeat]


João Onofre
Culturgest, Lisboa

João Drei


Gijs Milius e Sophie Nys
In Spite Of, Porto

Fermata


João Ferro Martins
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

FUNÂMBULO


DANIEL FERNANDES
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Moi je suis la langue et vous êtes les dents


Yto Barrada
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Murro no Estômago


Colectiva
Galeria Boavista, Lisboa

Anima Mea


Alexandre Conefrey
Galeria Ala da Frente, Vila Nova de Famalicão

WAIT


Colectiva
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero


Colectiva
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Vicente. O Mito em Lisboa


Colectiva
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RICARDO BAK GORDON / MAIO / DE VILDER VINK TAILLIEU

Building Stories




GARAGEM SUL
Centro Cultural de Belém Praça do Império
1449-003 LISBOA

10 JUL - 06 OUT 2018


Inauguração: 10 de Julho, às 19h, na Garagem Sul

Curadoria
Rodrigo da Costa Lima e Amélia Brandão Costa

Histórias Construídas debruça-se sobre aquilo que, na arquitectura, não é óbvio à primeira vista: é uma exposição sobre como a arquitetura é produzida e construída. Apesar de o processo de construção ser apenas um dos aspetos do edifício, é utilizado como leitmotif desta exposição, permitindo entender a arquitetura na sua complexa globalidade. Histórias Construídas oscila entre a escala territorial e a dimensão individual, acompanhando o imaginário do arquiteto. Projetos realizados, pontos de viragem ou simples anotações e desejos dos ateliers de arquitetura de vylder vinck taillieu, MAIO e Ricardo Bak Gordon são apresentados como expressões vivas de um universo mais amplo.

Deste modo, a exposição estabelece um diálogo entre arquitetos que – apesar de cada um ter as suas próprias ideias, métodos e expressão formal – partilham a arquitetura como território comum, onde tecem as suas abordagens singulares.