Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ANTÓNIO BARROS

Inflammatio




CAPC - CÍRCULO DE ARTES PLÁSTICAS
Piso Térreo do Edíficio da Biblioteca Municipal Parque de Santa Cruz, Jardim da Sereia
3001-401 COIMBRA

21 JUL - 01 SET 2018


INAUGURAÇÃO: 21 de julho, 17h


Inflammatio
de António Barros


Inflammatio, que no Latim procura enunciar o atear do fogo, designa também a inflamação (ou o processo inflamatório) como sendo a reação de um organismo perante uma lesão dos seus tecidos — estádio descrito por Aulo Cornélio Celso na Roma Antiga, cerca de 50 a.C.

Inflamáveis eram também as insulae [Insulae] — espaços gregários, residências onde se albergavam os menos abonados na Velha Roma — que, ao contrário das domus, rapidamente se incendiavam, levando, também por isso, Nero — num estádio de temperamento inflamado — a querer ver Roma a arder.

Passadas estas autofagias [autofA(l)gias _Gelo Real Vestígios], revelam-se novas consciências do corpo quando este se exorciza perante o que em natura, em florigen [Florigen], se espelha. Tudo para lá do que em oração no fogo se exorciza [Oratória] e apela [Dá-me a mão, não as luvas].

Mas há um secreto caminhar na montanha [A(l)titude] e, ainda, um diálogo escuro pela noite dentro na busca do sentido. Essa necessária fome de inventar deus [Samovar sobre pedras].