Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

COSMO/POLÍTICA #4: Quando as máquinas param


Catarina Botelho, Eduardo Matos e Vasco Costa
Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira

Lighted by a Searing Light


AnaMary Bilbao
Travessa da Ermida, Lisboa

GAITA!


Gonçalo Pena
Galeria Graça Brandão (Lisboa), Lisboa

ANGELA BULLOCH


Heavy Metal Stack of Six - da coleção de Serralves
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Afri-Cola


TATIANA MACEDO | AFRI-COLA
Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa

Claim the diamonds in your eyes


Edgar Pires
Monitor, Lisboa

From the World, Made in Lisboa


Coletiva
Galeria Underdogs, Lisboa

Studiolo XXI, Desenho e Afinidades


Coletiva
Fundação Eugénio de Almeida, Évora

Trabalho Capital # Ensaio sobre gestos e fragmentos


Coletiva
Centro de Artes de S. João da Madeira, S. João da Madeira

Narciso


TANIA BRUGUERA
Galeria Quadrum, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória




MUSEU DE ARTE POPULAR
Av. de Brasília
1400-038

04 DEZ - 06 MAR 2019


Inaugura 4 Dezembro, 18h30



Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória

A exposição “Físicas do Património Português. Arquitetura e Memória” visa celebrar bons exemplos de reabilitação em património arquitetónico, refletir sobre a história da intervenção patrimonial, cruzar o tema com debates contemporâneos.

Com curadoria de Jorge Figueira e assistência à curadoria de Carlos Machado e Moura, estrutura-se segundo Estados da Matéria. Em Líquido, apresentam-se 12 projetos recentes de João Luís Carrilho da Graça, Adalberto Dias, Manuel Graça Dias/Egas José Vieira, Gonçalo Byrne/João Pedro Falcão de Campos, Gonçalo Byrne/Patrícia Barbas/Diogo Seixas Lopes, João Mendes Ribeiro, António Belém Lima, João Carlos dos Santos, Alexandre Alves Costa/Sergio Fernandez, Paulo Providência, Álvaro Siza/Eduardo Souto de Moura, Nuno Brandão Costa; em Sólido apresentam-se 6 lugares identitários em maquetes de Alvaro Negrello – Forte da Ínsua (Caminha), Alta de Coimbra, Torre das Águias (Mora), Evoramonte, Cabo Espichel, Sagres; e em Gasoso, em duas estruturas circulares, 2 lugares em transformação – a Baixa de Lisboa e do Porto, pelo olhar de Nuno Cera e Inês D’Orey.

Interpelam-se 5 personalidades sobre a relevância da arquitetura portuguesa, a memória do Estado Novo, o património colonial, a revolução do turismo (Outros Estados da Matéria) — Alexandre Alves Costa, Walter Rossa, Raquel Henriques da Silva, Rui Tavares e Paulo Pereira — e coloca-se um século e meio de políticas e obras patrimoniais em cronologia. A exposição está patente no Museu de Arte Popular, em Lisboa, na sala das Beiras e na sala da Estremadura, Alentejo e Ribatejo, que foram recolocadas pelo projeto expositivo na sua dimensão de 1948, com as pinturas murais, mobiliário, lettering, expositores e objetos, à vista.

Realiza-se no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural 2018, tem projeto expositivo de Pedro Pacheco e design gráfico de R2.