Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Hikari (luz, light) ペドロ・メデイロス


Pedro Medeiros
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

GRID #6


Christophe Daviet-Thery
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Convidados de Verão: Joalharia Contemporânea em Portugal


Coletiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

10 / 40


Coletiva
,

Marginália P.21


Cristina Lamas
Travessa da Ermida, Lisboa

Union Jacking. Voice of the Voice£ess


YONAMINE
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Fuga


Christine Henry
Associação 289, Faro

Bela e Má


Ana Vidigal
Museu Leopoldo de Almeida, Caldas da Rainha

RED AS SCARLET WHITE AS SNOW


MANUEL CALDEIRA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

estoutro


Coletiva
Espaço Cultural das Mercês, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Stray Gods




GALERIA GRAÇA BRANDÃO (LISBOA)
Rua dos Caetanos, 26
1200-079 LISBOA

24 JAN - 16 MAR 2019


Inauguração: 24 de Janeiro, às 19h, na Galeria Graça Brandão


Albuquerque Mendes, André Poejo, Bernardo Simões Correia, Cristiano Lenhardt, Daniel Barroca, Joaquim Rodrigo, Leonardo Rito, Luísa Jacinto, Luísa Mota, Sara Morgado Santos, Sofia Borges, Ursula Zangger, Von Calhau


Na década de 70, Albuquerque Mendes realizou um conjunto de ações simbólicas no espaço público, marcadas por uma forte crítica aos costumes beatos da cultura portuguesa. Estes “rituais” ou procissões anti-clericais, que ocorreram em algumas cidades do norte do país (Coimbra, Porto, Póvoa de Varzim, etc), inscreveram uma ideia de vivência coletiva e catártica, no contexto geral de transição política da época.

Partindo do registo de um dos rituais de Albuquerque Mendes (III Encontros Internacionais de Arte em Portugal, Póvoa de Varzim, 1976), realizado pela fotógrafa Ursula Zangger, a exposição “Stray Gods” propõe uma seleção de trabalhos onde imagens estabelecem “solidariedades” entre si, num contexto de tensões com o religioso, a crença, a angústia, a existência. “Stray Gods” interroga a religiosidade no fenómeno artístico, após uma suposta morte de Deus... sendo possível, no entanto, discernir “grutas em que se mostrará a sua sombra” (Nietzsche).