Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Flutuações


Virgílio Ferreira
Mupi Gallery, Porto

O Pirgo de Chaves


Francisco Tropa
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Ângela Ferreira


Dalaba: Sol d’Exil
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Once in a lifetime [repeat]


João Onofre
Culturgest, Lisboa

Fermata


João Ferro Martins
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Play Is A Serious Matter


Eduarda Rosa, Pollyanna Freire e Rita Thomaz
Fundação Portuguesa das Comunicações,

João Drei


Gijs Milius e Sophie Nys
In Spite Of, Porto

FUNÂMBULO


DANIEL FERNANDES
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Moi je suis la langue et vous êtes les dents


Yto Barrada
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Murro no Estômago


Colectiva
Galeria Boavista, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


YTO BARRADA

Moi je suis la langue et vous êtes les dents




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

07 FEV - 06 MAI 2019


Inauguração: 7 de Fevereiro, na Museu Calouste Gulbenkian

O projeto de Yto Barrada encontra inspiração na figura singular e trágica de Thérèse Rivière. Na década de 1930, esta etnóloga francesa rumou à Argélia desconhecida para estudar o dia-a-dia das mulheres e crianças da população nómada berbere, abalando estereótipos de género.

Yto Barrada (Paris, 1971) é uma artista franco-marroquina que tem desenvolvido uma obra fortemente marcada pelas narrativas da história e das identidades, sobretudo a marroquina, na sua relação com o passado colonial e pós-colonial, uma geografia onde convergem o Sul e o Este, na sua relação com o Ocidente.

A artista traz ao Espaço Projeto um conjunto de trabalhos, alguns inéditos, que explora e prossegue o seu interesse pela figura histórica, singular e «trágica» da etnóloga francesa Thérèse Rivière (Paris, 1901-1970).

Entre 1935 e 1936, Rivière parte para a Argélia para estudar a etnia berbere Chaouias, na região dos Aurès. Os cadernos de anotações, desenhos e fotografias que produz, bem como a coleção de materiais e objetos que reúne, que se centram no quotidiano das mulheres e crianças, serão esquecidos, «apagados».

São estas narrativas e objetos «silenciados» que Yto Barrada resgata – que engole e regurgita –, num gesto de identificação e resistência contra a despossessão da palavra (da língua), seja ela a do sujeito colonizado ou a fundada na desigualdade de género, que podemos ver na obra Objets indociles (em cima).

A esta trama da História, Yto entrelaça narrativas familiares, as da sua própria família, numa ida e volta constante entre a história e as memórias individuais, como nas fotografias dos cadernos de anotação da avó (Telephone Books, em baixo) que, não escolarizada, criou uma linguagem de signos gráficos para identificar e registar os contactos dos seus familiares.

Yto Barrada vive e trabalha em Nova Iorque. Foi cofundadora da Cinemateca de Tanger. Expõe regularmente desde 2003 em museus e instituições internacionais como o Walker Art Center (Minneapolis), o Barbican Centre (Londres), o Witte de With (Roterdão), Fundaciò Tàpies (Barcelona), o Jeu de Paume e o Centre Georges Pompidou (Paris), o Haus der Kunst (Munique), o MoMA (São Francisco e Nova Iorque), e a Bienal de Veneza (2007 e 2011).

Curadoria: Rita Fabiana