Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

ANGELA BULLOCH


Heavy Metal Stack of Six - da coleção de Serralves
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Afri-Cola


TATIANA MACEDO | AFRI-COLA
Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa

Claim the diamonds in your eyes


Edgar Pires
Monitor, Lisboa

From the World, Made in Lisboa


Coletiva
Galeria Underdogs, Lisboa

Studiolo XXI, Desenho e Afinidades


Coletiva
Fundação Eugénio de Almeida, Évora

Trabalho Capital # Ensaio sobre gestos e fragmentos


Coletiva
Centro de Artes de S. João da Madeira, S. João da Madeira

Narciso


TANIA BRUGUERA
Galeria Quadrum, Lisboa

Da cabeça à mão. Obras do acervo do AMJP


Júlio Pomar
Oficina Cultural – Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Viana do Castelo

Caderno > S. Tomé é Pedra que tem Peso em Cima do Mar


Pedro Saraiva
Passevite, Lisboa

DRAWING BODY


DIOGO PIMENTÃO
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DANIEL FERNANDES

FUNÂMBULO




GIEFARTE - GALERIA DE ARTE
Rua da Arrábida, 54 BC
1250-034 LISBOA

07 FEV - 20 FEV 2019


INAUGURAÇÃO: 7 de Fevereiro, 18h-21h



DANIEL FERNANDES | FUNÂMBULO


"Focando o seu trabalho na prática disciplinar do desenho e recorrendo inúmeras vezes à sua condição performativa, o artista utiliza o processo e seus imprevistos como ferramentas que lhe permitem testar a proximidade entre cérebro e mão, pensamento e ação, preservando a presença do corpo e as suas marcas como elemento fundamental nesse questionamento e elemento estruturante do seu próprio processo. Ao longo do tempo, passou a usar a condição transitiva desta prática como parte do desenvolvimento de uma linguagem na qual os fins são claramente menos importantes que os meios. O que lhe interessa é a ideia de uma prática, e não um resultado; de uma ação, em vez de um objeto; de um verbo, em vez de um substantivo. No fundo, assim como no performance daquele que caminha sobre uma corda bamba, estamos a lidar aqui com um processo, com a criação de um sistema autónomo, hiper-consciente, capaz de manter uma conexão muito próxima e muito focada entre o exterior e o interior, favorecendo o caminho em direcção ao encontro com aquela autoconsciência de que Jean Genet falou."

Ana Anacleto - Excerto da folha de sala