Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Espelho


Isabel Madureira Andrade
Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada

Imago Lisboa Photo Festival


Joakim Eskildsen
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Mais tarde


JORGE MOLDER
Galeria Belo-Galsterer, Lisboa

Perto da margem


Pedro Calapez
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Bom dia lua


Nuno Sousa Vieira
Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso, Amarante

Ciclo “Museu das Obsessões”


TATIANA MACEDO / HORÁCIO FRUTUOSO
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

Uma Figura Semelhante


Diogo Costa
Diogo Costa Atelier, Almada

Sombras do Tempo


MÁRIO MACILAU
Galeria MOVART, Lisboa

Lanhaslândia (Expandida)


Fernando Lanhas
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Polaris


Francisco Tropa
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DALABA: SOL D’EXIL

Ângela Ferreira




CHIADO 8 ARTE CONTEMPORÂNEA
Largo do Chiado, n.º8
1249-125 LISBOA

21 FEV - 17 MAI 2019


Inauguração: 21 de Fevereiro, na Fidelidade Arte

Curadoria: Delfim Sardo

O trabalho de Ângela Ferreira (Moçambique, 1958) parte frequentemente de episódios históricos ligados ao colonialismo, à sua falência e aos seus traumas. A proposta aqui apresentada centra-se na cantora e ativista Miriam Makeba (1932—2008), uma das mais relevantes figuras na luta contra o apartheid na África do Sul. Primeira mulher negra a discursar nas Nações Unidas, Makeba foi impedida de regressar à África do Sul, em 1960 e aos Estados Unidos da América, em 1968, após o seu casamento com Stokely Carmichael, líder do Black Panther Party.

A exposição de Ângela Ferreira inspira-se na casa, na Guiné-Conacri, onde Makeba e Carmichael viveram exilados entre 1968 e 1983, convertendo em peças escultóricas alguns dos elementos arquitetónicos da moradia de planta circular, quase um protótipo da relação entre a arquitetura modernista e a vernacularidade africana e, sobretudo, um lugar simbólico do exílio e da condição apátrida.

Esta exposição inaugura o ciclo Reação em Cadeia, uma colaboração entre a Fidelidade Arte e a Culturgest, que propõe aos artistas participantes o convite ao artista que lhes sucede em ambos os espaços. O ciclo implica sempre uma estreita adequação do projeto às galerias, em diferentes declinações em Lisboa e no Porto. Ângela Ferreira é a primeira artista convidada a quem sucederá Jimmie Durham (E.U.A., 1940).