Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Olhares Mútuos


Sophia e Maria Helena
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Lost Lover


Coletiva
Rampa, Porto

>e(c(o< / Rio de Parede


Pedro Tudela & Artur Lescher
Kubikgallery, Porto

(In)dispensável ou A pintura que inquieta a colecção do museu


Rui Macedo
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

África Diversidade Comum


Coletiva
Movart, Lisboa

Tu sei la noite


Anna Franceschini
Galeria Vera Cortês, Lisboa

O.F.F LAND


Pedro Calhau
Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa

A Pele do Fantasma


JOÃO MARIA GUSMÃO + PEDRO PAIVA
Colecção Maria e Armando Cabral, Lisboa

Mamografias por Satélite


Rodrigo Gomes
The Room - video project, Lisboa

Gaze Dithering


David Maljković
Galeria Francisco Fino, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DAVID HAMMONS

Ted Joans: Exquisite Corpse




LUMIAR CITÉ - MAUMAUS
Rua Tomás del Negro, 8A
1750-105 LISBOA

16 MAR - 16 MAR 2019


Inauguração: 16 de Março, às 18h, na Lumiar Cité
17h: Conversa com Laura Corsiglia e os curadores

Inspirado num jogo criado pelos surrealistas franceses por volta de 1925, o poeta Ted Joans (1928-2003) iniciou, em 1976, o projeto coletivo Long Distance Exquisite Corpse. Dobrando uma folha de papel várias vezes, cada participante criou uma imagem, deixando uma linha na dobra para o participante seguinte ligar a sua. Os trabalhos artísticos que daí resultaram seguem, geralmente, uma lógica humorística ou confrontante. Explorando noções surrealistas do inconsciente, as obras vivem na tensão entre o colaborativo e o individual, o consciente e o acaso, o desenho e o objeto.

Ao longo dos anos, Joans viajou pelo mundo pedindo a artistas e escritores - incluindo surrealistas europeus, escritores nigerianos e sul-africanos, poetas e músicos de jazz americanos, pintores e intelectuais mexicanos - para adicionar um desenho ao projeto engenhosamente criado em forma de acordeão, a partir de um vulgar papel contínuo de computador. Como Joans refere numa entrevista, “Long Distance Exquisite Corpse é a ideia em construção de uma autoria coletiva ou colaborativa, na qual uma ininterrupta composição produz um significado indeterminado através da intervenção de cada participante”. A inovação deste processo de cadavre exquis é a variação das distâncias entre os participantes, que podem conhecer-se e assistir à adição dos respetivos desenhos, ou estar separados por milhares de quilómetros e apenas serem conectados pelo próprio Joans.

Em 2001, David Hammons filmou Ted Joans desdobrando a longa obra de arte pelo apartamento de Robin e Diedra Harris-Kelley, em Nova Iorque, onde, em conjunto com a artista Laura Corsiglia, analisam cada desenho e as histórias criativas e pessoais da, aparentemente, interminável lista de participantes. A câmara segue o desdobrar da obra, enfatizando a sua fisicalidade, o processo ativo necessário para com ela dialogar e a impossibilidade de a visualizar integralmente de uma só vez. A obra colapsa em fragmentos, mas interliga os seus participantes globais, dobrando, desdobrando, obscurecendo, revelando, atravessando grandes distâncias. Hammons acrescenta o seu próprio desenho, dando seguimento à transmissão de longa distância. Como Corsiglia reflete, Long Distance Exquisite Corpse é "o mapa para um tesouro de amizades que se expande através do tempo, do espaço e das disciplinas".

O filme Ted Joans: Exquisite Corpse (2001-2018), de David Hammons, é uma produção da Maumaus / Lumiar Cité. Depois de uma primeira exibição em Dakar, em 2018, o filme mostra-se no espaço Lumiar Cité. Trata-se da primeira apresentação pública da obra Long Distance Exquisite Corpse (1976-2005), de Ted Joans, em colaboração com cento e trinta e dois autores, incluindo Mário Cesariny, Malangatana, James Rosenquist, Dorothea Tanning, Larry Rivers, Bruce Conner, David Hammons, Paul Bowles, Allen Ginsberg, William S. Burroughs, Barbara Chase-Riboud, Cecil Taylor, Michel Leiris, Dick Higgins, Alison Knowles, Wole Soyinka, Konrad Klapheck, Roberto Matta, Bill Dixon, Stanley William Hayter, Breyten Breytenbach, Octavio Paz e Laura Corsiglia. David Hammons (EUA, 1943) vive e trabalha em Nova Iorque. Estudou no Chouinard Art Institute (CalArts) e no Otis College of Art and Design, ambos em Los Angeles. A sua obra em escultura, pintura, vídeo ou instalação, critica e expõe subtilmente estereótipos dentro do universo da arte. Desde o início da década de 1970, o seu trabalho faz parte de coleções importantes de arte contemporânea, incluindo: MoMA, Whitney Museum of American Art, Museum of Contemporary Art Chicago e Tate Modern. A sua obra foi apresentada em inúmeros eventos, museus e bienais, incluindo: documenta 9, Whitney Biennial 2006, 50ª Bienal de Veneza, Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, San Francisco Museum of Modern Art (SFMOMA), New Museum of Contemporary Art, MoMA, Tate Modern e Biennale de Dakar 2004.