Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

a chuva cai ao contrário


João Jacinto
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

Poetry as an echological survival


NUNO DA LUZ
Galeria Vera Cortês, Lisboa

Parting with the Bonus of Youth – Maumaus as Object


Coletiva
Galeria Av. Índia, Lisboa

às nove a caminho


Sara Mealha
Balcony, Lisboa

minha solidão sente-se acompanhada


MANUEL COSTA CABRAL
Travessa da Ermida, Lisboa

Thu Thiêm an archaeological project for future remembrance


TIFFANY CHUNG
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

Olhares Mútuos


Sophia e Maria Helena
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Criolo Quântico


Filipa César
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Canhota


Mariana Gomes
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Lost Lover


Coletiva
Rampa, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLETIVA

Trabalho Capital # Ensaio sobre gestos e fragmentos




CENTRO DE ARTES DE S. JOÃO DA MADEIRA
Rua Alão de Morais, 473
3700 S. JOÃO DA MADEIRA

13 ABR - 13 OUT 2019


Inauguração: 13 de Abril, às 21h30, no Centro de Arte Oliva

Na noite de inauguração vão acontecer performances de António Olaio, André Alves, Manuel Santos Maia, Xavier Paes e djset com Done Deal e Tendency


:::

“A luta do homem contra o poder é a luta da memória contra o esquecimento.”
Milan Kundera

“A cultura é a regra, a arte é a excepção. Faz parte da regra querer a morte da excepção.”
Jean-Luc Godard

Nesta exposição-instalação coloca-se em diálogo a colecção Norlinda e José Lima com novas obras realizadas para este projecto, outras já produzidas e, igualmente, material documental e técnico do espólio museológico industrial relacionado com a história da Fábrica Oliva. Pretende-se convocar a memória histórica, social e política da Oliva, confrontando-a com o nosso tempo e o actual espaço expositivo.

A convocação desse património material e imaterial é uma das componentes importantes deste projecto, tendo como premissa aqui reunir trabalhos que estejam de forma mais directa ou indirectamente relacionados com algumas ideias e conceitos que podemos inventariar e debater com a ideia de TRABALHO.

Nesta Fábrica, fundada nos anos 20 do século passado e definitivamente fechada em 2010, existe agora um espaço cultural. Aqui assistimos à fragmentação e recomposição de um espaço fabril, que permite novos usos e sentidos performativos.

Numa cidade com um grande parque industrial, deseja-se não obliterar essa memória, mas convocá-la para este projecto, que vai confrontar os habitantes da cidade e os visitantes que chegam de fora, com uma realidade industrial passada e presente. A ocupação de uma antiga Fábrica por um projecto cultural levanta questões sobre a relação entre trabalho e cultura, entre valores materiais (produção de capital) e imateriais (produção de cultura).

Nesta exposição-instalação, a memória do espaço de trabalho, fabril e industrial será reactivada através de documentação fotográfica e fílmica. Foram realizadas um conjunto de entrevistas a antigos operários, iniciando, assim, um arquivo oral e de vídeo que vai ser exibido na exposição como forma de devolver a Fábrica Oliva à cidade e restabelecer uma ponte com o passado.

A cenografia da exposição irá remeter para um espaço industrial em (re)construção, evocando-se as reminiscências do passado industrial em confronto com a produção contemporânea de cultura. A materialização dessas memórias é realizada através de propostas de transformação e práticas espaciais que exploram leituras interdisciplinares do património arquitectónico e dos espaços pós-industriais, mobilizando-se a participação das artes visuais, arquitectura e imagem em movimento. Pretende-se aprofundar, na sua pesquisa, diferentes ferramentas da antropologia, história ou arqueologia, através da pesquisa de terreno ou da documentação em arquivo. Neste projecto convidamos o público, os criadores e investigadores a explorar a dimensão cultural do espaço físico pós-industrial.


Artistas:
A KILLS B / ANDRÉ ALVES / ALBUQUERQUE MENDES / ÁLVARO LAPA / ANA JOTTA / ANDRÉ CEPEDA / ANDRÉ GUEDES / ANDRES SERRANO / ÂNGELA FERREIRA / ÂNGELO DE SOUSA / ANTÓNIO AREAL / ANTÓNIO CHARRRUA / ANTÓNIO OLAIO / ANTÓNIO PALOLO / ANTÓNIO SENA / ARLINDO SILVA / ARTUR BARRIO / BEATRIZ ALBUQUERQUE / CARLA FILIPE / CARLOS BOTELHO / CARLOS CORREIA / CINDY SHERMAN / DAMIEN HIRST / DINIS SANTOS / EDUARDO BATARDA / EDUARDO MATOS / FERNANDO J. RIBEIRO / FRANZ WEST / GABRIEL ABRANTES / GONÇALO BARREIROS / GONÇALO PENA / GRAÇA PEREIRA COUTINHO / HELENA ALMEIDA / HORÁCIO FRUTUOSO / HUGO DE ALMEIDA PINHO / INÊS NORTON / JÉRÉMY PAJEANC / JOANA ROSA / JOÃO LOURO / JOÃO MARÇAL / JOÃO MARIA GUSMÃO + PEDRO PAIVA / JOÃO PEDRO VALE + NUNO ALEXANDRE FERREIRA / JOÃO TABARRA / JOAQUIM BRAVO / JOAQUIM RODRIGO / JORGE MOLDER / JORGE QUEIROZ / JOSÉ ALMEIDA PEREIRA / JOSÉ LOUREIRO / JOSÉ PEDRO CROFT / JULIÃO SARMENTO / LEONEL MOURA / LOURDES CASTRO / LUDGERO ALMEIDA / LUÍS PAULO COSTA / LUÍSA MOTA / LUÍSA PEREIRA COSTA / MARTIN KIPPENBERGER / MANUEL BAPTISTA / MANUEL BOTELHO / MÁRIO DIONÍSIO / MANUEL SANTOS MAIA / MARIA HELENA VIEIRA DA SILVA / MARIA TRABULO / MARTINHO COSTA / MAX FERNANDES / MIGUEL LEAL / MICHELANGELO PISTOLETTO / MIGUEL PALMA / MIMMO ROTELLA / MUSA PARADISÍACA / NAN GOLDIN / NUNO PIMENTA / NUNO RAMALHO / NUNO SOUSA VIEIRA / PAULO NOZOLINO / PEDRO CABRAL SANTO / PEDRO CABRITA REIS / PEDRO CALAPEZ / PEDRO PORTUGAL / PEDRO PROENÇA / PIRES VIEIRA / RICARDO VALENTIM / ROSA RAMALHO / SARA & ANDRÉ / SÓNIA DELAUNAY / SOPHIE CALLE / STEPHAN BALKENHOL / STUART CARVALHAIS / SUSANA MENDES SILVA / TIAGO ALEXANDRE / TIAGO MADALENO / TIAGO BAPTISTA / THOMAZ DE MELLO / VANESSA BEECROFT / XAVIER ALMEIDA / XAVIER PAES