Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Hikari (luz, light) ペドロ・メデイロス


Pedro Medeiros
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

GRID #6


Christophe Daviet-Thery
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Convidados de Verão: Joalharia Contemporânea em Portugal


Coletiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

10 / 40


Coletiva
,

Marginália P.21


Cristina Lamas
Travessa da Ermida, Lisboa

Union Jacking. Voice of the Voice£ess


YONAMINE
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Fuga


Christine Henry
Associação 289, Faro

Bela e Má


Ana Vidigal
Museu Leopoldo de Almeida, Caldas da Rainha

RED AS SCARLET WHITE AS SNOW


MANUEL CALDEIRA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

estoutro


Coletiva
Espaço Cultural das Mercês, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


CATARINA BOTELHO, EDUARDO MATOS E VASCO COSTA

COSMO/POLÍTICA #4: Quando as máquinas param




MUSEU DO NEO-REALISMO
Rua Alves Redol, nº 45
2600-099 VILA FRANCA DE XIRA

27 ABR - 29 SET 2019


Inauguração: 27 de abril, às 16h00, no Museu Neo-Realismo

A Exposição COSMO/POLÍTICA #4: Quando as Máquinas Param apresenta projetos originais dos artistas Catarina Botelho, Eduardo Matos e Vasco Costa.

A exposição, cujo tema genérico é o trabalho, faz referência ao telefilme Quando as Máquinas Param de Pedro Belo e Luís Filipe Costa, obra que recupera a peça escrita em 1967, em pleno contexto da ditadura militar, pelo autor brasileiro Plínio Marcos, cruzando referências pictóricas da coleção do Museu do Neo-Realismo que traduzem as relações de trabalho, de exploração, de desigualdade e a necessidade da mudança para uma sociedade mais equitativa.

Em Quando as Máquinas Param os artistas são convidados a refletir sobre a permanente dicotomia entre a necessidade e a liberdade – do trabalho, congregando diferentes perspetivas, e alargando o âmbito de questões que se revelam intemporais e, aparentemente, irresolúveis.

A exposição tem curadoria de Sandra Vieira Jürgens e Paula Loura Batista e poderá ser visitada até 29 de setembro.