Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



Outras recomendações:

Convidados de Verão: Joalharia Contemporânea em Portugal


Coletiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

10 / 40


Coletiva
,

Marginália P.21


Cristina Lamas
Travessa da Ermida, Lisboa

Union Jacking. Voice of the Voice£ess


YONAMINE
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Fuga


Christine Henry
Associação 289, Faro

Bela e Má


Ana Vidigal
Museu Leopoldo de Almeida, Caldas da Rainha

RED AS SCARLET WHITE AS SNOW


MANUEL CALDEIRA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

estoutro


Coletiva
Espaço Cultural das Mercês, Lisboa

Brincar diante de Deus. Arte e liturgia: Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro


Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Waiting room


Coletiva
Galeria Cisterna, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PEDRO TUDELA & ARTUR LESCHER

>e(c(o< / Rio de Parede




KUBIKGALLERY
Rua da Restauração, 2
4050-499 PORTO

25 MAI - 28 JUN 2019


Inaugurações: dia 25 de Maio, às 18h00, na Kubikgallery


Pedro Tudela
>e(c(o<

“>e(c(o<“ é uma exposição do trabalho recente de Pedro Tudela que reúne objetos escultóricos, escultura sonora, desenhos e fotografias. Nesta série de trabalhos o autor questiona a capacidade do lugar (sítio) se tornar numa outra coisa, seja pela relação do plano no espaço (factos que se sucedem uns aos outros) como pela comparação, que naturalmente fazemos, entre duas ou mais quantidades desiguais.
Dos termos compostos:
(eco)-logia, - palavra, discurso, linguagem, estudo, teoria
(eco)-grafia, - escrita, registo, estudo
(eco)-nomia, - regra, lei, uso
(eco)-sistema, - conjunto, grupo, combinação
... ou simplesmente do alvo: (eco)
- Repetição de um som reenviado por um corpo.
- Som reverberado.
- Som pouco claro.
- Reunião das intermitências compreendidas entre dois limites sonoros.
- Imitação ou repetição.
- Recordação ou vestígio.
são matérias que agrupa, relaciona e confronta para dar forma ao trabalho que agora expõe.

Pedro Tudela (1962, Viseu, Portugal).
Concluiu o Curso de Pintura da Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) em 1987. Professor Auxiliar da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP). Enquanto aluno da ESBAP, foi cofundador do Grupo Missionário: organizou exposições nacionais e internacionais de pintura, arte postal e performance. Participa em vários festivais de performance desde 1982. Foi autor e apresentador dos programas de rádio escolhe um dedo e atmosfera reduzida na xfm, entre 1995 e 1996. Em 1992, por ocasião da exposição “Mute ... life”, funda o coletivo multimédia Mute Life dept. [MLd]. Enveredou pela produção sonora em 1992, participando em concertos, performances e edições discográficas, em Portugal e no estrangeiro. Cofundador e um dos elementos do projeto multidisciplinar e de música digital @c. Membro fundador da media label Crónica. Trabalha em cenografia desde 2003. Expõe individualmente com regularidade desde 1981. Participa em inúmeras exposições coletivas em Portugal e no estrangeiro desde o início da década de 80. Encontra-se representado em museus, coleções públicas e particulares. Vive e trabalha no Porto.


:::


Artur Lescher
Rio de Parede

"Todo o trabalho que desenvolvo começa a partir de um conjunto de relações gramaticais, ou seja, a escolha dos materiais, as formas que se relacionam entre si e os mecanismos que interagem com eles. A engenharia do trabalho é muito importante. Tudo isto serve um propósito que se tornará mais claro durante o processo de construção. A consciência que essas relações evocam, além das relações formais, é algo a que presto muita atenção, ao fazer o trabalho, procuro deixar o discurso claro."
Artur Lesher

Artur Lescher (1964, São Paulo, Brasil)
Há mais de trinta anos, Lescher apresenta um trabalho sólido como escultor, que resulta da pesquisa em torno da articulação de materiais, pensamentos e formas. Nesse sentido, o artista tem no diálogo particular, ininterrupto e preciso, com o espaço e o projeto arquitetónicos, e a escolha de materiais (que podem ser metal, pedra, madeira, feltro, sais, latão e cobre), elementos fundamentais para destacar o poder desse discurso.
Mesmo que o trabalho de Lescher esteja fortemente ligado aos processos industriais, apresentando extremo requinte e rigor, a sua produção não tem a forma como único propósito, na verdade, vai além. Essa contradição abre caminho para o mito e a imaginação, elementos essenciais para a construção da sua Paisagem Minimal [Galeria Nara Roesler, 2006].
Participou nas 19a e 25a edições da Bienal Internacional de Arte de São Paulo, São Paulo / SP, Brasil (1987 e 2002), e na 5a Bienal do Mercosul, Porto Alegre / RS, Brasil (2005). Participou em várias exposições coletivas na América Latina, Europa e Estados Unidos, bem como em duas exposições individuais: Instituto Tomie Ohtake (ITO), em São Paulo / SP, Brasil (2006) e no Palais d'Iéna, Paris, França (2017).
Em 2019, expôs (“Suspensão”) na Pinacoteca do Estado de São Paulo.