Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Convidados de Verão: Joalharia Contemporânea em Portugal


Coletiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

10 / 40


Coletiva
,

Marginália P.21


Cristina Lamas
Travessa da Ermida, Lisboa

Union Jacking. Voice of the Voice£ess


YONAMINE
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Fuga


Christine Henry
Associação 289, Faro

Bela e Má


Ana Vidigal
Museu Leopoldo de Almeida, Caldas da Rainha

RED AS SCARLET WHITE AS SNOW


MANUEL CALDEIRA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

estoutro


Coletiva
Espaço Cultural das Mercês, Lisboa

Brincar diante de Deus. Arte e liturgia: Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro


Matisse, Vieira da Silva e Lourdes Castro
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Waiting room


Coletiva
Galeria Cisterna, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ANA VIDIGAL

Bela e Má




MUSEU LEOPOLDO DE ALMEIDA
R. Dr. Ilídio Amado


13 JUL - 30 SET 2019


Inauguração: 13 de Julho, no Museu Leopoldo de Almeida

Bela e Má é o título da exposição que a artista Ana Vidigal (Lisboa, 1960) realiza no Museu Leopoldo de Almeida, nas Caldas da Rainha, entre 13 de Julho e 30 de Setembro de 2019. A artista irá desenvolver uma instalação escultórica original, de grandes dimensões, pensada na relação com o espaço que ocupa, nomeadamente, com as obras do escultor que dá nome ao museu - Leopoldo de Almeida (Lisboa, 1898-1975) -, e na relação com os despojos, ferramentas, mobiliário e outros objectos encontrados nos armazéns adjacentes ao museu e que pertencem ao espólio das fábricas de cerâmica das Caldas da Rainha, em particular, do Bordallo Pinheiro. A esta instalação serão, também, adicionados pequenos apontamentos de objectos e imagens que fazem parte do arquivo pessoal da artista. Ambos os intervenientes, escultor e contexto envolvente, relacionados numa única obra que contém objectos encontrados, colagens, imagens, parecem promover uma visão sobre a totalidade das linguagens sobre as quais a artista se tem debruçado na sua prática artística. Neste sentido, parece já não ser possível discernir e separar o que se trata de pintura, escultura, desenho ou “produção paralela”. Ao complexificar o discurso artístico em questões nebulosas, ao invés de simplificar através da divisão das técnicas artísticas, a obra da artista faz-se numa unidade consistente que permite discutir os diferentes processos de visualização e os seus entendimentos, ou seja, reflectir sobre o que é mostrado ou ocultado e, por isso mesmo, questionar sobre as diferentes visões sociais, culturais, políticas, sexuais, históricas, ou de género. Assim, este projecto torna-se uma oportunidade para rever como os modos de expor e os dispositivos utilizados, através da ideia de revelar pela ocultação, são imprescindíveis para o entendimento das obras expostas.

Julho 2019
Hugo Dinis