Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Hikari (luz, light) ペドロ・メデイロス


Pedro Medeiros
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

GRID #6


Christophe Daviet-Thery
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Convidados de Verão: Joalharia Contemporânea em Portugal


Coletiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

10 / 40


Coletiva
,

Marginália P.21


Cristina Lamas
Travessa da Ermida, Lisboa

Union Jacking. Voice of the Voice£ess


YONAMINE
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Fuga


Christine Henry
Associação 289, Faro

Bela e Má


Ana Vidigal
Museu Leopoldo de Almeida, Caldas da Rainha

RED AS SCARLET WHITE AS SNOW


MANUEL CALDEIRA
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

estoutro


Coletiva
Espaço Cultural das Mercês, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


CRISTINA LAMAS

Marginália P.21




TRAVESSA DA ERMIDA
Mercador do Tempo Lda Travessa do Marta Pinto 21
1300-390

20 JUL - 24 AGO 2019


Inauguração: 20 de Julho, às 18h, na Travessa da Ermida

MARGINÁLIA P.21 reúne cinco obras de desenho com técnica mista de guache, grafite e lápis de cor de sobre papel de algodão com dimensóes várias.

Os desenhos de MARGINÁLIA P.21 são os primeiros fragmentos (P.21) que emergem de uma singular viagem. São ecos, impressões de um caminho ao longo das margens do rio Amazonas. Se, no fim, o todo configurar um mapa, será um mapa muito diferente das cartas estratégicas dos militares, pois aqui a atenção apela ao olhar imersivo, vagaroso. Será um mapa avesso às geometrias categóricas dessas, com os seus contornos definitivos e delimitações absolutas a decidir o princípio e o fim do mapa. Em MARGINÁLIA P.21, em contrapartida, é privilegiada uma atenção mais próxima do ritmo (ilusoriamente circular) do artesão. Ou dos gestos litúrgicos, rituais —ocupando ambos um lugar de estreita vizinhança ao canto. Nesse mapa por vir — como nestes desenhos — as margens emergem sempre no centro.

Cristina Lamas (1968) vive e trabalha em Lisboa. Em 1999 terminou a sua formação em artes plásticas no Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual, Lisboa, onde seguiu o plano de estudos completo em desenho e o curso avançado. Expõe regularmente em Portugal e no estrangeiro desde 1999. Está representada em coleções públicas e privadas, tais como Caixa Geral de Depósitos, Fundação PT, Fundação PLMJ, Banco Espírito Santo, Coleção Manuel de Brito, entre outras. Foi bolseira da Fundação Oriente em 1999 e 2003 para o desenvolvimento de projetos na Índia e Vietname e da Fundação Luso Americana em 2001. É atualmente representada pela Galeria 111.