Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

ARQUIVO DE DESTRUIÇÃO


PEDRO LAGOA
Culturgest, Lisboa

Neste corpo não há poesia


Bárbara Fonte
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?


COLECTIVA
Centro de Artes de Sines, Sines

The Soft and Weak Are Companions of Life


Zheng Bo
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Pequenas Notas sobre Figuração


Eugénia Mussa, Daniel V. Melim e Thomas Braida
Monitor, Lisboa

Inhale, Exhale (self-breathing kit)


Paulo Arraiano
Travessa da Ermida, Lisboa

Leap of Faith


COLECTIVA
No.No, Lisboa

Homework


COLECTIVA
Madragoa, Lisboa

Como silenciar uma poeta


Susana Mendes Silva
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Lourdes Castro: A vida como ela é


Lourdes Castro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


SARAH AFFONSO

Os dias das pequenas coisas




MNAC - MUSEU DO CHIADO
Rua Serpa Pinto, 4
1200-444 LISBOA

12 SET - 23 MAR 2020


Inauguração: dia 12, às 19h, no MNAC

No ano em que passam 120 anos sobre o nascimento de Sarah Affonso e com o propósito de levar ao conhecimento de novos públicos uma renovada leitura da sua obra, dá-se uma feliz coincidência de interesses historiográficos de que resultaram duas exposições em diálogo, Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas, que aqui apresentamos e Sarah Affonso e a Arte Popular do Minho no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna.

Da pintura, às linhas do bordado, da ilustração ao ensino, do desenho de estudo à criação azulejar, passando pelo grande desenho de uma geografia moderna, mas informada na tradição e bem atenta à realidade, com que soube conceber e fazer crescer Bicesse, Sarah resistiu ao quotidiano, adaptando-o à sua vida e à sua visão.

Como reconheceu o filho, ela foi a “fazedora da própria existência”.

Maria de Aires Silveira
Emília Ferreira