Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

O Ponto Perfeito


Maria Pia Oliveira
Fundação Portuguesa das Comunicações,

Desenho e Pintura sobre papel


JORGE FEIJÃO
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

PAULIANA VALENTE PIMENTEL: Empty Quarter #2 (Rub Al’Khali)


PAULIANA VALENTE PIMENTEL
Galeria sala117, Porto

What Photography has in Common with an Empty Vase


Edgar Martins
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Quase um nada


Maria Laet
3 + 1 Arte Contemporânea, Lisboa

Si Sol Flat


Coletiva
Ar.Co Centro de Arte e Comunicação Visual (Xabregas), Lisboa

(Des)Construção da memória


YiiMa
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Antes do Início e Depois do Fim


Júlio Pomar e Hugo Canoilas
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Alto Nível Baixo


Coletiva
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Teratologias


Daniel Canogar
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


SARAH AFFONSO

Os dias das pequenas coisas




MNAC - MUSEU DO CHIADO
Rua Serpa Pinto, 4
1200-444 LISBOA

12 SET - 23 MAR 2020


Inauguração: dia 12, às 19h, no MNAC

No ano em que passam 120 anos sobre o nascimento de Sarah Affonso e com o propósito de levar ao conhecimento de novos públicos uma renovada leitura da sua obra, dá-se uma feliz coincidência de interesses historiográficos de que resultaram duas exposições em diálogo, Sarah Affonso. Os dias das pequenas coisas, que aqui apresentamos e Sarah Affonso e a Arte Popular do Minho no Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna.

Da pintura, às linhas do bordado, da ilustração ao ensino, do desenho de estudo à criação azulejar, passando pelo grande desenho de uma geografia moderna, mas informada na tradição e bem atenta à realidade, com que soube conceber e fazer crescer Bicesse, Sarah resistiu ao quotidiano, adaptando-o à sua vida e à sua visão.

Como reconheceu o filho, ela foi a “fazedora da própria existência”.

Maria de Aires Silveira
Emília Ferreira