Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

A Corrida


Luísa Abreu
SALA 117, Porto

Leap of Faith


COLECTIVA
No.No, Lisboa

Homework


COLECTIVA
Madragoa, Lisboa

A linha que fecha também abre


Julião Sarmento
Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa

Lourdes Castro: A vida como ela é


Lourdes Castro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Phytographia Curiosa


Inez Teixeira
Casa Atelier Vieira da Silva, Lisboa

Arthur Jafa: Uma série de prestações absolutamente improváveis, porém extraordinárias”


Arthur Jafa
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Semente Exterminadora


Pedro Neves Marques
Galerias Municipais de Lisboa, Lisboa

Fortunate Islands


Susana Gaudêncio
Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa

O dia em que perdi o pé


Anabela Soares
Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MIGUEL PALMA

(Ainda) O Desconforto Moderno




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 LISBOA

18 SET - 19 JAN 2020


Inauguração: 18 de Setembro, às 19h00, no Museu Coleção Berardo


“Referência incontornável da arte portuguesa na transição do século XX para o século XXI, Miguel Palma é um artista que se apropria das narrativas de uma modernidade em permanente questionamento para melhor refletir sobre o presente.

O fascínio de Miguel Palma por ícones da modernidade clássica é evidente: o mundo da aviação, o automóvel, a arquitetura, a natureza (mais ou menos domesticada) e a tecnologia em geral. Porém, aqui, estes elementos são continuamente sujeitos a uma migração conceptual, reclamando a intervenção do artista uma densificação hermenêutica vital. A apropriação de maquetas, por exemplo, aproxima-os de uma realidade em segundo grau — a maqueta indica precisamente a existência de uma outra entidade noutra escala; mas as situações em que aquelas se apresentam são situações suspensivas do real, como se o excesso de realidade dos objetos entrasse em curto-circuito em função de um jogo derrisório que torna o real vertiginosamente polissémico e poético. A criatividade do artista desdobra-se numa pulsão construtiva que convoca e problematiza conceitos como o progresso, a degenerescência, a velocidade e o fracasso.

A exposição apresenta uma importante seleção antológica do trabalho de Miguel Palma que cobre um arco cronológico de trinta anos e transita entre os mais diversos meios, como a escultura, o vídeo, a instalação, o desenho e a performance. Além de obras de escala monumental nunca antes apresentadas em Portugal, como é o caso de Cinq temps (2016), produzida para o MuCEM, em Marselha, o artista criou a Montanha (2019), uma peça especialmente concebida para o espaço do Museu Coleção Berardo.

Aquilo que Miguel Palma nos propõe em forma de obras de arte são considerações de uma espessura existencial absolutamente única. A sua curiosidade e o modo como articula diferentes horizontes do saber sublinham a capacidade de nos reinventarmos, dissimulando a inexorável lei maior, que é a da vitória do tempo sobre a finitude humana. Enquanto dispositivos potenciadores de um olhar crítico sobre o nosso passado recente e o nosso presente, os enunciados de Miguel Palma confrontam-nos com as tensões vividas no frágil equilíbrio da nossa existência. Tal como liminarmente nos diz o artista: «Se o mundo fosse confortável, eu não fazia arte.»”


Miguel von Hafe Pérez, curador da exposição