Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

What Photography has in Common with an Empty Vase


Edgar Martins
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Quase um nada


Maria Laet
3 + 1 Arte Contemporânea, Lisboa

Si Sol Flat


Coletiva
Ar.Co Centro de Arte e Comunicação Visual (Xabregas), Lisboa

(Des)Construção da memória


YiiMa
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Antes do Início e Depois do Fim


Júlio Pomar e Hugo Canoilas
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Alto Nível Baixo


Coletiva
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Teratologias


Daniel Canogar
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Escrever com a luz: Notas para a biografia de uma sombra


José Barrias
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

A Terceira Margem


Anozero'19
Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, Coimbra

Cosmo/política #5: comunidades provisórias


Coletiva
Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLETIVA

Alto Nível Baixo




ZDB - GALERIA ZÉ DOS BOIS
Rua da Barroca, 59
1200-049 LISBOA

08 NOV - 11 JAN 2020


Inauguração: 8 de Novembro, às 22h, na ZDB


Curadoria de Marta Mestre e Natxo Checa


“Alto Nível Baixo” é uma exposição que aproxima duas produções distintas entre si. Por um lado, uma seleção de filmes e audiovisuais de artistas e cineastas brasileiros realizados durante o Ato Institucional-5 (1968-1978); e por outro, a série de “Desenhos de Guerra” do artista português Manoel Barbosa (n. 1953).

Experimentais, marginais, contestatárias, contra-culturais, poéticas, delirantes, absurdas, escatológicas, entre vários outros adjetivos, as produções audiovisuais brasileiras que se apresentam em “Alto Nível Baixo” foram realizadas durante o Ato Institucional-5 (1968-1978), conhecido decreto emitido pela ditadura militar que restringiu severamente as liberdades individuais e coletivas. Revelam a dicotomia de uma época, entre euforia e tortura, ao mesmo tempo que exploram a diversidade de linguagens fílmicas e movimentos artísticos brasileiros deste período (“cinema marginal”, “udigrúdi”, “superoitismo”, “filme de arte”, “filme experimental”, etc.), sublinhando a centralidade da linguagem cinematográfica na arte brasileira. Com Álvaro de Sá, Ana Maria Maiolino, Ana Bella Geiger, António Dias, António Manuel, Carlos Vergara, Carlos Zílio, Cláudio Tozzi, Daniel Santiago, Egdard Navarro, Flávio Diniz, Frederico Marcos, Frederico Morais, Jorge Izar, Jormard Muniz Brito, José Agrippino de Paula, Luiz Alphonsus, Marcelo Nitsche, Neide Sá, Nelson Leirner, Neville d’Almeida, Norma Bahia Pontes & Rita Moreira, Raymundo Amado, Rubens Gerchman, Sonia Andrade e Victor Gehrard.

Realizados entre 1973 e 1975, no perigoso quartel de Zemba e durante a guerrilha urbana em Luanda (Angola), os “Desenhos de Guerra” do artista português Manoel Barbosa (n. 1953) são uma expressão radical e crua da relação entre contra-cultura e guerra colonial. Desenhos esquemáticos de “máquinas de guerra”, “à margem” ou “desviantes” do trabalho mais conhecido do artista na área da performance. “Zemba, um de bastantes delírios”, como recorda Barbosa…

(O título Alto Nível Baixo é um pedido de empréstimo ao filme homónimo de Jomard Muniz de Britto – 1977).