Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Hangover + Be Part of Chaos (2016-2019)


Carla Filipe
Galeria Francisco Fino, Lisboa

Lendo resolve-se: Álvaro Lapa e a Literatura


ÁLVARO LAPA
Culturgest, Lisboa

2012 2020 Obras da Coleção António Cachola


COLETIVA
Museu de Arte Contemporânea de Elvas , Elvas

Aos Meus Amores_2.0


Álvaro Rosendo
Galeria Cisterna, Lisboa

I can’t see you, but I know you’re here


Rui Calçada Bastos
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

pressentir a paisagem. caminho atento para construir chão


Michael Biberstein
Museu Municipal de Faro, Faro

FRIDAY 13TH


Coletiva
Movart, Lisboa

Walk the curve


Ayelen Peressini e Inês Teles
Alto de S. Bento,

No Chão do Paraíso


ALBUQUERQUE MENDES
Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar

Estancias de la pintura. Calavera resumida


Pedro Morales Elipe
Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLETIVA

Alto Nível Baixo




ZDB - GALERIA ZÉ DOS BOIS
Rua da Barroca, 59
1200-049 LISBOA

08 NOV - 11 JAN 2020


Inauguração: 8 de Novembro, às 22h, na ZDB


Curadoria de Marta Mestre e Natxo Checa


“Alto Nível Baixo” é uma exposição que aproxima duas produções distintas entre si. Por um lado, uma seleção de filmes e audiovisuais de artistas e cineastas brasileiros realizados durante o Ato Institucional-5 (1968-1978); e por outro, a série de “Desenhos de Guerra” do artista português Manoel Barbosa (n. 1953).

Experimentais, marginais, contestatárias, contra-culturais, poéticas, delirantes, absurdas, escatológicas, entre vários outros adjetivos, as produções audiovisuais brasileiras que se apresentam em “Alto Nível Baixo” foram realizadas durante o Ato Institucional-5 (1968-1978), conhecido decreto emitido pela ditadura militar que restringiu severamente as liberdades individuais e coletivas. Revelam a dicotomia de uma época, entre euforia e tortura, ao mesmo tempo que exploram a diversidade de linguagens fílmicas e movimentos artísticos brasileiros deste período (“cinema marginal”, “udigrúdi”, “superoitismo”, “filme de arte”, “filme experimental”, etc.), sublinhando a centralidade da linguagem cinematográfica na arte brasileira. Com Álvaro de Sá, Ana Maria Maiolino, Ana Bella Geiger, António Dias, António Manuel, Carlos Vergara, Carlos Zílio, Cláudio Tozzi, Daniel Santiago, Egdard Navarro, Flávio Diniz, Frederico Marcos, Frederico Morais, Jorge Izar, Jormard Muniz Brito, José Agrippino de Paula, Luiz Alphonsus, Marcelo Nitsche, Neide Sá, Nelson Leirner, Neville d’Almeida, Norma Bahia Pontes & Rita Moreira, Raymundo Amado, Rubens Gerchman, Sonia Andrade e Victor Gehrard.

Realizados entre 1973 e 1975, no perigoso quartel de Zemba e durante a guerrilha urbana em Luanda (Angola), os “Desenhos de Guerra” do artista português Manoel Barbosa (n. 1953) são uma expressão radical e crua da relação entre contra-cultura e guerra colonial. Desenhos esquemáticos de “máquinas de guerra”, “à margem” ou “desviantes” do trabalho mais conhecido do artista na área da performance. “Zemba, um de bastantes delírios”, como recorda Barbosa…

(O título Alto Nível Baixo é um pedido de empréstimo ao filme homónimo de Jomard Muniz de Britto – 1977).