Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Outros Portos - Outros Olhares


Margarida Gouveia, Mina Ao, Peng Yun, Xing Danwen, O Zhang
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Exposição colectiva


Gonçalo Barreiros + John Wood and Paul Harrison
Galeria Vera Cortês (Alvalade), Lisboa

O Mergulho


Pedro Gomes
Casa das Artes de Tavira, Tavira

19_20


Sandra Baía
Travessa da Ermida, Lisboa

ARQUIVO DE DESTRUIÇÃO


PEDRO LAGOA
Culturgest, Lisboa

Neste corpo não há poesia


Bárbara Fonte
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?


COLECTIVA
Centro de Artes de Sines, Sines

The Soft and Weak Are Companions of Life


Zheng Bo
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Pequenas Notas sobre Figuração


Eugénia Mussa, Daniel V. Melim e Thomas Braida
Monitor, Lisboa

Inhale, Exhale (self-breathing kit)


Paulo Arraiano
Travessa da Ermida, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ISABEL BARAONA, MAFALDA SANTOS E SUSANA GAUDÊNCIO

A mão que segura e que se eleva no ar




RAMPA
Pátio do Bolhão 125
4000-110

14 FEV - 28 MAR 2020


Inauguração: 14 de Fevereiro, 21h30



"A mão que segura e que se eleva no ar"
uma exposição colectiva de Isabel Baraona, Mafalda Santos e Susana Gaudêncio

Curadoria: Pessoa Colectiva



"A mão que segura e a que se eleva no ar" toma a poesia, a palavra e a arte como meios de resistência e liberdade, e como mote o conceito de escrita-imagem de Ana Hatherly.
Reúne três artistas nas suas diferentes vozes, unidas pela mão inteligente de Ana. A filiação não envolve um tributo, indica sim uma celebração. Susana, Mafalda e Isabel sob o signo da artista, mãos firmes, que seguram e fixam linhas, revoluções da imagem e do texto.
Desenhar e escrever, seja figura ou palavra, a mão executa uma acção hipnótica e muitas vezes de natureza mágica. Diz Paulo Pires do Vale que essa fronteira “é lugar de metamorfose, entre o texto como imagem e o desenho como escrita”. A mão é acção, faz surgir sobre uma superfície algo que era até então invisível e silencioso. Traça linhas negras e encantadas nesse lugar reserva da imaginação.
A criação poética existiu sempre como meio de resistência. Já o discurso político do status quo, que apresenta como característica uma voz única e mono direcionada, apoia-se num significado denotativo da linguagem, onde a ambiguidade deve estar ausente.
O acto artístico faz de nós seres voltados para a construção do futuro, transformando o nosso presente de múltiplas formas, sendo aqui, cremos, que arte e utopia se relacionam.

No âmbito do programa paralelo da exposição no dia 15 de março às 18h, a artista Sónia Neves realiza uma visita comentada com a presença das artistas. No dia 28 de Março às 18h, o artista Xana apresenta a performance "A correr com os olhos nas mãos".


:::



Isabel Baraona (Cascais, 1974) é licenciada em Pintura pela La Cambre (Bélgica) e Doutorada em Artes Visuais e Intermedia pela Universidade Politécnica de Valência (Espanha). Em 2001 iniciou o seu percurso profissional com uma exposição individual intitulada mythologies tendo participado em diversas exposições individuais e colectivas, em Portugal e no estrangeiro. Está representada em colecções nacionais como a Fundação EDP, Fundação D. Luís/C. M. Cascais, MGFR (Fernando Ribeiro), Safira e Luís Serpa, Centro Português de Serigrafia; e em colecções internacionais como Yolande De Bontridder, Galila Barzilaï-Hollander, Paul Gonze, Jean-Marie Stroobants, entre outras. Isabel Baraona lecciona na Escola Superior de Arte e Design Caldas da Rainha desde 2003.

Mafalda Santos (Porto, 1980) Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes do Porto. Expõe regularmente desde 2001 em exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro em instituições como oMuseu Colecção Berardo, em Lisboa; a Sala do Veado, no Museu de História Natural, em Lisboa; o Museu de Arte Contemporânea de Elvas; a Fundação Marcelino Botín, em Santander; o MUDAM – Centre D’art Moderne Gran-Duc Jean, no Luxemburgo; o Museu de Arte Contemporânea de Hildesheim,. O seu trabalho encontra-se incluído nas colecções portuguesas de António Cachola, das Fundações EDP e Ilídio Pinho, Grupo RAR, Fundação PLMJ, Câmara Municipal de Lisboa e Câmara Municipal do Porto.

Susana Gaudêncio (Lisboa, 1977). Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Mestre em Belas Artes pelo Hunter College - City University of NewYork, em 2008, como bolseira da FCG e FLAD. Doutorada pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa com o apoio da FCT. O seu trabalho concentra-se na prática do desenho, da animação-vídeo, na instalação e nas publicações de artista, tendo exposto em Portugal e no estrangeiro em instituições como o Museu Nacional de Arte Contemporânea/Museu do Chiado; Museu da Electricidade; Centro de Arte Moderna Fundação Calouste Gulbenkian; Carlos Carvalho Arte Contemporânea; The Mews Project Space, Londres; Bowery Poetry Club, Nova Iorque; Chashama Gallery Visual Arts Program, Nova Iorque. Está representada em colecções nacionais como a Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação EDP, Fundação PLMJ, entre outras. Leciona ne na Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha.