Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Outros Portos - Outros Olhares


Margarida Gouveia, Mina Ao, Peng Yun, Xing Danwen, O Zhang
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Exposição colectiva


Gonçalo Barreiros + John Wood and Paul Harrison
Galeria Vera Cortês (Alvalade), Lisboa

O Mergulho


Pedro Gomes
Casa das Artes de Tavira, Tavira

19_20


Sandra Baía
Travessa da Ermida, Lisboa

ARQUIVO DE DESTRUIÇÃO


PEDRO LAGOA
Culturgest, Lisboa

Neste corpo não há poesia


Bárbara Fonte
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?


COLECTIVA
Centro de Artes de Sines, Sines

The Soft and Weak Are Companions of Life


Zheng Bo
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Pequenas Notas sobre Figuração


Eugénia Mussa, Daniel V. Melim e Thomas Braida
Monitor, Lisboa

Inhale, Exhale (self-breathing kit)


Paulo Arraiano
Travessa da Ermida, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOANA ESCOVAL

Mutações. The Last Poet.




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 LISBOA

12 FEV - 19 ABR 2020


Inauguração: 12 de fevereiro, 19h


Mutações. The Last Poet
exposição individual de Joana Escoval

Curadoria: Pedro Lapa


Joana Escoval tem vindo a estabelecer na sua prática artística uma relação extremamente idiossincrática com a natureza. Nos seus trabalhos, tudo está prestes a desaparecer ou a transformar-se em algo diferente, num cosmos onde a energia existe em constante fluxo e os elementos naturais se interligam na sua esmagadora incomensurabilidade.

Em Mutações. The Last Poet, Joana Escoval trabalha o próprio espaço expositivo como meio. Trata-se de uma instalação que transforma a arquitetura do espaço da galeria num contínuo de curvas orgânicas, solicitando uma deambulação na qual o encontro com esculturas, vídeos e outros elementos se encadeia numa narrativa poética. As questões associadas às relações entre as substâncias, o corpo e o mundo são exploradas através das metáforas produzidas por estes dispositivos, que dissipam qualquer linha divisória entre o humano e o não-humano e remetem para as relações da matéria um efetivo trabalho poético.