Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

ARQUIVO DE DESTRUIÇÃO


PEDRO LAGOA
Culturgest, Lisboa

Neste corpo não há poesia


Bárbara Fonte
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?


COLECTIVA
Centro de Artes de Sines, Sines

The Soft and Weak Are Companions of Life


Zheng Bo
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Pequenas Notas sobre Figuração


Eugénia Mussa, Daniel V. Melim e Thomas Braida
Monitor, Lisboa

Inhale, Exhale (self-breathing kit)


Paulo Arraiano
Travessa da Ermida, Lisboa

Leap of Faith


COLECTIVA
No.No, Lisboa

Homework


COLECTIVA
Madragoa, Lisboa

Como silenciar uma poeta


Susana Mendes Silva
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Lourdes Castro: A vida como ela é


Lourdes Castro
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PAULO ARRAIANO

Inhale, Exhale (self-breathing kit)




TRAVESSA DA ERMIDA
Mercador do Tempo Lda Travessa do Marta Pinto 21
1300-390

13 JUN - 11 JUL 2020


INAUGURAÇÃO: dia 13 de Junho, das 14h às 18h


A exposição “Inhale, Exhale (self-breathing kit)”, de Paulo Arraiano, integra a programação regular do espaço expositivo interior da Ermida N. Senhora da Conceição, consistindo numa instalação e vídeo criada para o espaço. O horário de visita à exposição é de 3ªfeira a sábado, entre as 14:00 e as 18:00.




“INHALE, EXHALE (self-breating kit)”

A prática de Paulo Arraiano relaciona-se com uma ideia de sismografia visual, medindo ondas relativas a novos paradigmas naturais, sociais e culturais, a sua pesquisa, entre matéria-não matéria, envolve corpo, paisagem e tecnologia, levantando questões sobre alterações climáticas, biosfera, extinção, transhumanismo e antropoceno. Sobre “Inhale, Exhale (self-breathing kit)”:
O natural em crise. Organismo vivo, que habitamos e nos acolhe, que reage de forma invisível a uma ameaça e agressão contínua. Ignorando o seu poder de cura, de regeneração ou mesmo revolução, reflexo do antropocentrismo, fazemos face ao antropoceno. Alterações climáticas, extinção, transhumanismo… Contudo, em pro-cura, reclamam-se novas respostas científicas e divindades tecnológicas. Num templo-altar, o apelo ao estar. No contexto de uma nova espiritualidade digital e através de um sistema de tecno-reconexão holística, é relembrado o simples e, por sua vez, complexo acto que nos mantém vivos: o respirar. O mesmo acto que, face ao esquecimento, se torna alvo de ameaça. Axis mundi que se eleva de uma biosfera imaterial, que nos relembra a ideia do transformar através do estar, ao contrário do que nos é pela norma incutido… o agir. Este mantra, distribuído via mobile-sharing e de forma viral, funciona como um kit de uso diário, que nos relembra, mais uma vez, o simples acto de respirar.


:::


Paulo Arraiano (1977) é um artista plástico com base em Lisboa. Licenciou-se em Comunicação pelo ISCEM (Lisboa) e frequentou Artes Plásticas na Ar.Co – Centro de Arte e Visual (Lisboa). Conta com inúmeras exposições, individuais e colectivas, nacionais e internacionais, das quais se destacam Dimora Artica (Milão); Hawaii-Lisbon (Lisboa); Pivô (S.Paulo); Museu d’Història de Catalunya (Barcelona); Hangar (Lisboa); Art Rotterdam (Roterdão); Cidade das Artes Museum (Rio de Janeiro); MAH Museum (Açores); Quartier General, Centre d’art Contemporain (La Chauxde- Fonds); Aeroplastics Contemporary (Bruxelas); Petra Gut Contemporary (Zurique); TAL Gallery (Rio de Janeiro); ArtRio (Rio de Janeiro); The Dot Project (Londres); Palácio da Pena (Sintra); Forty/Forty (Varsóvia); Galeria Graphos (Rio De Janeiro); Museu do Côa (V. N. Foz Côa); ArtWhino (Washington DC); Hifa, Harare International Festival Of Art (Zimbabwe); Cãmara Municipal do Porto (Porto); ; Museé d’Art Moderne (Luxembourg), Scope/Miami Basel (Miami); National Building Museum (Washington DC); P28 (Lisboa) entre outras. Participou em programas de residência e festivais como Transforma (Torres Vedras); Walk&Talk (Azores); LAC (Lagos); ”Atemporal” (Rio de Janeiro) entre outros. Os seus trabalhos estão representados em várias coelcções publicas incluindo o Museu CAC Málaga; (Spain); Luciano Benton Collection (Italy); Quartier-General Arts Center (Switzerland); Museu de Angra do Heroismo (Azores); Sztuki Zewnetrznej Foundation (Polónia); Grupo Pestana (Portugal); Fundação D. Luís / Bairro dos Museus (Portugal); MARCC (Portugal) e inúmeras colecções privadas. Paulo Arraiano licenciou-se em Comunicação pelo ISCEM (Lisboa) e frequentou Artes Plásticas na Ar.Co – Centro de Arte e Visual (Lisboa). É também co-fundador da re_act contemporary, laboratório e programa de residência (Açores) e no.stereo, artist-run platform.