Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

Cuir PopCreto


Lyz Parayzo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Luto


Gustavo Sumpta
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

Falso Sol Falsos Olhos


Elisa Pône
Galeria Quadrum, Lisboa

Welcome to Paradise!


Luís Ribeiro
Espaço MIRA, Porto

¿De qué casa eres? Episodios de un cotidiano. Del bando republicano en la Guerra Civil Española


Ana Pérez-Quiroga
No.No, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ZHENG BO

The Soft and Weak Are Companions of Life




KUNSTHALLE LISSABON
Rua José Sobral Cid 9E
1900-289 LISBOA

18 JUN - 29 AGO 2020


INAUGURAÇÃO: 18 de junho, das 15h às 19h


A Kunsthalle Lissabon apresenta The Soft and Weak Are Companions of Life 柔弱者生之徒, a primeira exposição individual do artista Zheng Bo em Portugal. A exposição estará patente ao público de 18 de junho a 29 de agosto de 2020. Devido às medidas de segurança colocadas em prática por causa da COVID-19, não se realizará uma inauguração da exposição.




Historicamente, e na maioria dos princípios, valores e direitos ocidentais, a espécie humana sempre ocupou o papel principal. A marginalização dos elementos naturais levou-nos a uma baixa consciência e respeito por outras formas de vida que não humanos e animais. Atualmente, muitas pessoas simplesmente não sabem que tipo de plantas circundam as suas casas e caracterizam as suas cidades e, na maioria das vezes, a empatia por questões ecológicas nem sempre corresponde a um conhecimento real destes elementos vegetais, criando apenas uma falsa consciência e uma distância física relativamente ao que efetivamente vive à nossa volta.

Zheng Bo tenta reduzir essa distância, indo para além de uma simples abordagem concetual com vista ao conhecimento das plantas. Insistindo na ideia de intimidade, o artista dá-nos um exemplo de uma possível relação entre humanos e o mundo vegetal, derrubando, nesse processo, a visão antropocêntrica que temos da natureza. Mas as plantas representam também o negligenciado e o queer num entendimento estandardizado do binário natureza-cultura, apontando, dessa maneira, a necessidade urgente de expandir as nossas noções de relações interespécies, comunidades e contra-públicos.

Uma nova série de desenhos intitulada Drawing Life abre a exposição na Kunsthalle Lissabon. Zheng Bo tem caminhado pela ilha de Lantau - onde vive em Hong Kong - e desenhando plantas locais todos os dias desde o final da primavera deste ano. Ele anota os nomes das plantas que reconhece, mas como existem sempre mais plantas para desenhar e identificar, o texto de cada desenho, termina sempre com "etc." Esta é a primeira vez que uma seleção desses desenhos é apresentada publicamente.

Na série de vídeos Pteridophilia 1-4 (a palavra é derivada do grego pterid- “feto” e -philia “amor”), Zheng Bo filma jovens em contacto íntimo com vários tipos de fetos numa floresta de Taiwan. Os homens criam e mantêm relações emocionais e físicas com as plantas: lambem-nas, envolvemnas, acariciam-nas, mordem-nas, comem-nas e tem relações sexuais com elas, mostrando-nos um número infinito de possibilidades de intimidade vegetal-humana. Zheng reflete sobre a nossa perspectiva moral atual interrogando o nosso dilema ético. Onde começa a exploração humana das plantas e onde termina? Por que é "natural" comer plantas, mas "não natural" fazer amor com
elas?

The Soft and Weak Are Companions of Life 柔弱者生之徒 é uma frase do capítulo 76 do Dao De Jing, o texto taoísta escrito no século IV aC. O Dao De Jing é escrito em chinês clássico, o qual apresenta uma série de desafios a uma compreensão plena. Como observa o estudioso taoísta Holmes Welch, esta linguagem escrita "não tem forma ativa ou passiva, singular ou plural, nenhum caso, pessoa, sem tempo, sem humor". O texto inteiro, face a estas circunstâncias, encontra-se aberto a uma enorme variedade de possíveis interpretações.

Neste vasto horizonte de alternativas, Zheng Bo, com os seus vídeos, as suas taxonomias e a sua filosofia, apresenta-nos a possibilidade de repensar todo o sistema humano que visa a categorização do conhecimento sobre a natureza, convidando-nos a articular todos os elementos que temos ao nosso redor, encontrando todas as diferentes combinações e otimizando todas as potencialidades inerentes a plantas e humanos.




Zheng Bo (Pequim, 1974) vive e trabalha em Hong Kong. A sua prática tem vindo a investigar temas ligados à ecologia, a comunidades marginalizadas e a questões de género com o intuito de refletir sobre a nossa cosmologia. Apresentou projetos em várias instituições asiáticas e europeias, destacando-se o ICA at NYU Shanghai, @KCUA em Quioto, Asia Art Archive em Hong Kong, Parco Arte Vivente em Turim, TheCube Project Space em Taipei, e Villa Vassilieff em Paris. O seu trabalho foi incluído no programa de peformances da 58a Bienal de Veneza, na Manifesta 12, na 11a Bienal de Taipei e na 11a Bienal de Xangai.