Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Camera Lucida


Ramiro Guerreiro e Thierry Simões
Galeria Quadrum, Lisboa

A E I O U: Os Espacialistas em Pro(ex)cesso


Os Espacialistas
Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, Coimbra

177,26 Km


Pedro Valdez Cardoso
Galeria Sete, Coimbra

GREAT MOMENTS / ARPAD E AS CINCO / VIEIRARPADOJI & POUF VIEIRA


EDUARDO BATARDA / ANA VIDIGAL / PEDRO PORTUGAL
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Globotomia


Rigo 23
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Linha Funda


Nuno Sousa Vieira
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

The Skull of the Haunted Snail


Andreia Santana
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

O Que Não Temos Podemos Criar


COLECTIVA
PADA Studios, Barreiro

Air Through Soft Solids (Part II)


Diogo Tudela
Galeria Presença (Porto), Porto

Speculative Intimacy


ALICIA KOPF
Fidelidade Arte, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RIGO 23

Globotomia




GALERIA QUADRADO AZUL (NOVO ESPAÇO EM LISBOA)
Rua Reinaldo Ferreira, nº 20-A, em Alvalade.
1700-323 LISBOA

03 OUT - 30 DEZ 2020


INAUGURAÇÃO: 3 de Outubro, entre as 14 e as 19 horas, na Galeria Quadrado Azul, Lisboa



Na sua segunda exposição individual na Galeria Quadrado Azul, Rigo 23 apresenta um núcleo de obras realizadas no longínquo ano de 2017. As quatro obras foram apresentadas pela primeira vez no Weltkulturen Museum, em Frankfurt, e na Galeria Millennium, numa Lisboa então Capital Ibero-Americana da Cultura.

Uma mostra a dois com Ayrson Heráclico (Brasil), a exposição em Frankfurt intitulava-se Entre Terra e Mar - Between Land and Sea - Transatlantic Art. Na baixa pombalina, intitulava-se Itacoatiara[1], e na Galeria Quadrado Azul, em 2020 - entre o Hospital Júlio de Matos e a Escola Padre António Vieira - apresenta o título de Globotomia.

O trabalho de Rigo é um constante desafio à ideia da obra de arte como elemento impermeável ao contexto que a rodeia. A Arte como fenómeno separado, facilmente catalogado, colectado, avaliado, apresentado e preservado entre muros e páginas, não é a sua praia. Ao longo de mais de três décadas, a sua desalinhada produção artística raramente ocupa um mesmo território, reflexo de uma busca desordenada que tem como ponto de origem a vertigem do abismo. Natural da Ilha da Madeira, o artista passou a maior parte da sua vida no distópico e fascinante faroeste, em diálogo com a experiência indígena e negra. Nesta exposição, apresenta-nos trabalhos produzidos em estreita colaboração com comunidades e indivíduos de um faroeste menos viajado pela curiosidade europeia - o faroeste do hemisfério Sul, com o qual Portugal tanto tem que ver e a haver.

A exposição inclui quatro obras: um video que documenta uma acção levada a cabo por membros de três aldeias Guaranis do sul do estado de São Paulo, no Brasil, na praia da Ilha do Cardoso, que hoje tem o nome de Itacuruça[2]; uma escultura em pedra, que junta pedra esculpida e pedra no seu estado natural, numa representação do território sagrado, dividido por uma fronteira; uma escultura-invólucro em cestaria, com tacoara, madeira e materiais encontrados nas praias da Ilha do Cardoso, a caminho de Itacuruça; um desenho-mapa com tinta da china e bordado, que traça o evoluir de um grito Guarani pelo território europeu, no ano de 2017.


:::

[1]Pedra Colorida em Guarani, designação primeira dada pelos Guarani ao marco de pedra pintada que uma expedição Portuguesa colocou em 1502 no seu território definindo um ponto na fronteira criada pelo Tratado de Tordesilhas, em 1494.

[2] “Cruz de Pedra” em Guarani. Hoje nomeia a praia onde foi colocado o marco assinalando um ponto na fronteira criada pelo Tratado de Tordesilhas, em 1502.