Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Jorge Feijão

Outras recomendações:

Ciclo de Exposições e Conversas "O Desenho como Pensamento”


Ana Vidigal, Luís Paulo Costa e Exposição Documental
Vários locais / Águeda, Águeda

Ventriloquismo


VERA MOTA
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

OBJETO INFINITO OU UM BEM MAIOR. Primeiro conjunto de dúvidas.


Alexandre A. R. Costa
ARTLAB24 Contemporary Art, Espinho

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

Cuir PopCreto


Lyz Parayzo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Luto


Gustavo Sumpta
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JORGE FEIJÃO

Cadernos A & B: Prelúdio e Fuga




CASA MUSEU GUERRA JUNQUEIRO
Rua Dom Hugo, 32
4050-305 PORTO

30 OUT - 24 JAN 2021


Inaugura sexta-feira, dia 30 de Outubro, no Gabinete do Desenho da Casa Guerra Junqueiro / Museu da Cidade



Cadernos A & B: Prelúdio e Fuga
de Jorge Feijão

Trata-se de uma oportunidade única para descobrir uma imensa série de desenhos, de pequeno formato, entre o esquiço e o acabado, a luz e a escuridão, a velocidade e a ponderação da mão e do pensamento. Como se nesta exposição do Museu da Cidade, o próprio desenho se revelasse através de uma certa cadência musical.

O conjunto de trabalhos que estará em exibição constitui-se - faça-se a analogia - como um palimpsesto de motivos que se assemelham a atlas de imagens.

Muito utilizado na Idade Média, o palimpsesto era um manuscrito em pergaminho ou papiro, que era regularmente raspado ou apagado para permitir a reutilização do material e a posterior sobreposição de um novo escrito, ainda que se vislumbrassem vestígios do texto manuscrito anterior.