Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


João Ferro Martins, Conflito e Unidade I, 2018. Cortesia do artista.

Outras recomendações:

Ciclo de Exposições e Conversas "O Desenho como Pensamento”


Ana Vidigal, Luís Paulo Costa e Exposição Documental
Vários locais / Águeda, Águeda

Ventriloquismo


VERA MOTA
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

OBJETO INFINITO OU UM BEM MAIOR. Primeiro conjunto de dúvidas.


Alexandre A. R. Costa
ARTLAB24 Contemporary Art, Espinho

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

Cuir PopCreto


Lyz Parayzo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Luto


Gustavo Sumpta
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOÃO FERRO MARTINS

Eternally Collapsing Objects / Objetos em Eterno Colapso




GALERIAS MUNICIPAIS - PAVILHÃO BRANCO
Campo Grande, 245
1700-091 LISBOA

12 NOV - 24 JAN 2021


inauguração: 12 de Novembro, 14h30


Eternally Collapsing Objects / Objetos em Eterno Colapso
João Ferro Martins

Curadoria: Tobi Maier


Conversa com o artista: 14.11.2020 – 11h
(marcação prévia: bilheteira@galeriasmunicipais.pt)


As Galerias Municipais apresentam uma exposição individual do artista João Ferro Martins (*1979, Santarém).

Deambular pelas quatro salas do Pavilhão Branco de Lisboa e pela exposição Objectos em Eterno Colapso faz-nos sentir como se estivéssemos a pisar um palco ou cenário de teatro. A exposição Objectos em Eterno Colapso evoca um sistema planetário absorvido por buracos negros onde a humanidade atinge o fim, renascendo num processo de eterna renovação.

Ao entrar no pavilhão, o público concorda em participar numa narrativa provocadora de imagéticas que se desdobram numa passagem circular. O percurso pelo Pavilhão Branco segue a habitual visita em estilo fita de Möbius. Vêm à mente as imagens de noticiários que mostram a devastação depois da passagem de um furacão ou tsunami por uma área costeira. Somos confrontados com um grupo de objetos que poderiam ter estado expostos na montra de uma loja, mas que agora foram descartados. Encontramo-nos na distopia, elegantemente orquestrada no chão alcatifado e mascarada por cortinas que flutuam nas galerias de vidro do pavilhão.

De um ambiente de atelier somos catapultados para um estúdio de gravação improvisado. Deambulando em torno de metáforas escultóricas, somos novamente recordados do facto de que a música não é matéria física, mas efémera. Objectos em Eterno Colapso contrasta os vestígios de um furacão com o asseio organizado de uma era passada da indústria discográfica. As galerias do piso superior albergam dezenas de altifalantes encontrados, numa referência à instalação sonora (silenciada) que tem vindo a surgir em múltiplas ocasiões no trabalho do artista. Os discos de vinil expostos em analogia constituem uma alusão ao som e à música, elementos de destaque na prática do artista. No entanto, este suporte está misteriosamente ausente desta exposição, exceto sob a forma da edição de um disco de vinil lançado em breve.

Para esta gesamtkunstwerk apresentada no Pavilhão Branco, João Ferro Martins selecionou ainda objetos da coleção do Staatliche Kunstsammlungen Dresden – Archiv der Avantgarden. É apresentada uma ampla gama de referências visuais, incluindo clássicos de vinil da década de 1950 (Karlheinz Stockhausen) até aos anos 80 (Laurie Anderson) e 90 (Meredith Monk), passando por Fluxus (Philip Corner, Ben Vautier), poesia sonora (Sten Hanson) ou música concreta (Pierre Henry), e até o seminal I am sitting in a Room (1969) de Alvin Lucier, que explora as frequências ressonantes da sala em que se está sentado. Ferro Martins sugeriu igualmente que a sua obra inspira a noção de corpos que são musicados, corpos que seguem a sua partitura escultórica. Se o Pavilhão Branco é uma caixa de ressonância para a nossa voz, com as esculturas do artista a proporcionarem um comentário adicional então, os sons das aves que se aninham nas copas das árvores circundantes e dos pavões que habitam o jardim do museu também contribuem para as esferas sonoras iminentes que aqui encontramos.

Por ocasião da exposição Objectos em Eterno Colapso, de João Ferro Martins, as Galerias Municipais irão lançar uma edição limitada em vinil com as composições do artista. Ana Teresa Ascenção é a responsável pelo design da publicação.



João Ferro Martins licenciou-se em Belas Artes pela ESAD, Caldas da Rainha. Atualmente, vive e trabalha em Lisboa. As suas exposições recentes incluem: condition report, 3+1 Arte Contemporânea, Lisboa (2020); Wait, Museu Berardo, Lisboa (2019); Ciclo Cosmo/Política #2 – Conflito e Unidade, Museu do Neorrealismo, Vila Franca de Xira (2018); Germinal – O Núcleo Cabrita Reis na Coleção de Arte Fundação EDP, MAAT, Lisboa (2018); e THEM OR US! Um Projecto de Ficção Científica Social e Política, Galeria Municipal do Porto, Porto (2017).