Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Ciclo de Exposições e Conversas "O Desenho como Pensamento”


Ana Vidigal, Luís Paulo Costa e Exposição Documental
Vários locais / Águeda, Águeda

Ventriloquismo


VERA MOTA
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

OBJETO INFINITO OU UM BEM MAIOR. Primeiro conjunto de dúvidas.


Alexandre A. R. Costa
ARTLAB24 Contemporary Art, Espinho

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

Cuir PopCreto


Lyz Parayzo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Luto


Gustavo Sumpta
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PAULO LISBOA

Um esqueleto entra no bar...




FUNDAÇÃO LEAL RIOS
Rua do Centro Cultural, 17-B
1700-106 LISBOA

03 DEZ - 19 MAR 2021


INAUGURAÇÃO. 3 de Dezembro, 14-19h



Um esqueleto entra no bar...
Paulo Lisboa



"Imagens que consistem em nada mais que luz manipulada, de inexorável perfeição, a metáfora mais antiga de todas – dia e noite, bem e mal, a luz como Ser e escuridão como não-Ser – o mesmo em complexidade crescente, mas o que é que isso interessa?"
(...)
"O antigo filósofo Demócrito, que ainda é lembrado pelo seu atomismo austero, (uma espécie de física quântica prototípica), também era conhecido pela sua gargalhada persistente perante o absurdo de pensarmos que sabemos seja o que for. Não existe nada além de átomos e vazio, escreveu. O resto é opinião."
(...)
In Um esqueleto entra no bar..., Alan Fishbone, 2020


Com uma grande economia de operações e também num espaço medial bastante preciso, a obra de Paulo Lisboa experimenta, com sistematicidade e rigor, um conjunto de ambiguidades e de oscilações em torno do desenho, ambiguidades que vão da absoluta ausência de imagem ao simulacro, da mancha à linha, de uma espacialidade etérea à presença saturada da matéria. Estas oscilações e ambiguidades mantêm a sua obra numa zona inquietante de mistério, mas também, ao mesmo tempo, num território laboratorial, marcado por uma experimentação muito consistente e por um grande disciplinamento do gesto artístico.

A sua obra não obedece a um programa medial, mas as suas operações, ou modos de fazer arte, não abandonam uma meditação da matéria e do gesto, pelos quais toda a experiência cultural se constitui. A materialidade surge decomposta e resintetizada nos seus desenhos a traço, como a antevisão de uma nova idade da pedra (filosofal) ou do design da própria natureza, para o qual nos encaminhamos. Paralelamente, a manipulação de velhas máquinas modernas da imagem e da sua fantasmagoria da luz, é convertida em congeminação mecânica do seu próprio desenho. Em cada traço da obra de Paulo Lisboa é retraçado o mistério da relação entre o gesto, a matéria e o pensamento.

UMA LULIK__, 2020


:::


Paulo Lisboa nasceu em Lisboa, Portugal, em 1977.
Estudou Artes Plásticas – Pintura, na Escola Superior de Tecnologias | Instituto Politécnico de Tomar e frequentou o mestrado em Desenho na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa | Universidade de Lisboa.

Apresentou as exposições individuais Imagines Plumbi, Galeria Graça Brandão (2018), Lisboa, Portugal; Secção, Casa Museu Medeiros e Almeida (2016), Lisboa, Portugal; Plasma, Galeria Graça Brandão (2016), Lisboa, Portugal; Phosphora, Galeria Graça Brandão (2015), Lisboa, Portugal e Plateau, Sala Bébé, (2010), Lisboa, Portugal.

Entre as exposições colectivas em que participou, destacam-se Anuário – Uma visão retrospectiva de arte no Porto, Galeria Municipal do Porto (2019), Porto, Portugal; Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero, com curadoria de Marta Rema , Atelier – Museu Júlio Pomar (2019); Portugal, Portugueses, Museu Afro Brasil (2016), São Paulo , Brasil; In Absentia, com curadoria de Marta Jecu, Galeria Graça Brandão (2015), Lisboa, Portugal; A Rainha Vermelha, com curadoria de Marko Stamenkovic (2013), Ghent, Bélgica; Straight ahead and then turn, Espaço Avenida (2011), Lisboa, Portugal; O movimento das coisas / Coisas em movimento, M.I.M.O. – Museu da Imagem em Movimento (2011), Leiria, Portugal; VLTRA TRAJECTVM, Expodium (2011), Utrecht, Holanda; Hotchpotch, LxFactory (2010).