Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA






Outras recomendações:

“Par ce que c'estoyt luy; par ce que c'estoyt moy."


Fernando Brito e Manuel Vieira
Kubikgallery, Porto

Whispering Mirrors


Rodrigo Gomes
Carpintarias de São Lázaro, Lisboa

Travessia


Rui Chafes
Casa das Artes de Tavira, Tavira

Something is Missing


Waldemar d’Orey
Maumaus (Avenida António Augusto de Aguiar), Lisboa

Room 1008: The Last Days


Rita Barros
Centro Cultural de Cascais, Cascais

Os Livros de Júlio Pomar


Júlio Pomar; Horácio Frutuoso
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Pústula


Bárbara Fonte
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

Ciclo "O Desenho como Pensamento"


Mariana Gomes, Sandra Baía e Paulo Brighenti
Vários locais / Águeda, Águeda

A Cidade Incompleta


Fernanda Fragateiro
MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas

Albuquerque Mendes: Corpo de Performance


Albuquerque Mendes
Museu da Vila Velha, Vila Real

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Que horas são que horas, uma galeria de histórias




GALERIA MUNICIPAL DO PORTO
Palácio de Cristal Rua D. Manuel II
4050-346 PORTO

17 DEZ - 14 FEV 2021


Inauguração: 17 de Dezembro



Que horas são que horas, uma galeria de histórias


CURADORIA:
José Maia
Paula Parente Pinto
Paulo Mendes



A exposição Que horas são que horas: uma galeria de histórias parte de um convite da Galeria Municipal do Porto a três curadores para uma reflexão sobre a paisagem histórica das galerias de arte no Porto entre 1945 e 2010. Situada entre a aparente abertura cultural anunciada pelo fim da Segunda Guerra Mundial e a retração do tecido cultural provocada pela mais recente crise económica, esta paisagem forma um panorama diverso de cumplicidades transformadoras entre artistas, agentes culturais e públicos, revelador das muitas faces desta civitas.

Em meados dos anos 40, as exposições “independentes” (1943-50) constituíram o primeiro sintoma de uma abertura cultural que se queria plural, consciente e debatida. Foram ações marcadas pela resiliência própria dos recomeços e por uma intervenção cívica e cultural que transformou a comunidade e construiu a cidade, educou públicos e profissionalizou as artes, assentando as fundações da sua futura sustentabilidade económica.

Sem qualquer autonomia, sem salas de exposições ou museus, com um público conservador e uma crítica insipiente, as primeiras galerias de arte surgem associadas a livrarias e a casas editoras – foi o caso da Portugália (1945-51) e da Divulgação (1958-67) –, mobilizando uma cultura multidisciplinar e a atenção de uma sociedade ávida de fruição artística.

Indissociável da sede de democracia e da busca de uma descentralização cultural que permitisse a independência económica do meio artístico e consolidasse novas cadeias de agentes culturais e locais de livre acesso à cultura, surge a Academia e Galeria Dominguez Alvarez (1954). Este espaço trazia a público o trabalho de jovens artistas juntamente com obras vindas de consagrados ateliers privados.

O associativismo artístico, e a defesa coletiva de melhores e mais justas condições de produção, exposição e comercialização, levou à criação de estruturas como a Cooperativa Árvore (1964). A conquista de um espaço coletivo e a constituição de uma rede alargada de contactos permitia organizar colóquios, projetar filmes, instalar oficinas, circular exposições, imprimir catálogos e outros materiais visuais e sobretudo defender o direito de reunião e de animação cultural.

Contrariar a “paisagem” a que o centralismo cultural reduziu tudo o que não acontecesse em Lisboa ainda demorou tempo. Só no início de 1969 a exposição portuense dos “4 Vintes” foi notícia na Colóquio: Revista de Artes e Letras, uma publicação que se apresentava como “espelho da sociedade do seu tempo.” A força da organização de base de colectivos de artistas na luta contra a continuada ausência de políticas culturais públicas, teve que esperar pela democracia para se tornar Manifesto, em acções como a “Declaração Aberta de um Grupo de Artistas Democráticos” (20 Maio 1974) ou o “Enterro do Museu Soares dos Reis” promovido pela “Comissão para uma Cultura Dinâmica” (10 Junho 1974).

O fermento da contestação dos anos 60 tinha produzido efeitos críticos mais imediatos, como o aparecimento de galerias com propostas autorais, cujo sucesso de mercado reflectiu alguma abertura do meio privado durante a “Primavera Marcelista”: no Porto surgem as galerias Dinastia, Alvarez Dois (1970), Zen (1971), Arte Nova (1971), Abel Salazar (1972), Mini Galeria (1972), Espaço (1973), Paisagem (1973), a Galeria do Jornal de Notícias (1974) e o Centro Difusor de Arte: Módulo (1975), entre outras. Foram anos decisivos para a organização da crítica de arte em Portugal e para a sua difusão na imprensa, mas só a revolução de 1974 conseguiu trazer as galerias e a arte para o confronto com novos públicos e novos espaços cívicos. A livre apresentação de artistas internacionais no país permitiu confrontar uma população isolada e pouco letrada com experiências artísticas mais relacionais, abertas ao debate e à interação no recém-conquistado espaço público. Apresentaram-se novos suportes, tecnologias e performances artísticas que procuraram sair do espaço fechado da galeria e questionar o objecto de arte e o seu mercado. O grupo Alvarez promoveu os Encontros Internacionais de Arte em Portugal e o Centro de Arte Contemporânea, dirigido por Fernando Pernes, apresentou uma programação cultural de arte contemporânea sem precedente no país entre 1976 e 1980.

O regresso à pintura dos anos 80 inverteu o modelo precedente, adaptando a arte e o seu mercado à pós-modernidade versão Portugal na CEE, apesar de persistirem galerias com programas mais experimentais, como a Roma e Pavia (1980) e o Espaço Lusitano (1982). É neste momento que surgem as galerias EG (1984), Nasoni e Sala Atlântica (1985), Quadrado Azul (1986), Fluxus (1989), Pedro Oliveira (1990), Fernando Santos (1993) e Presença (1995). O tecido das galerias ganha massa crítica e passa a existir como um circuito cultural, no interior do qual germinam os projectos de afirmação e mudança que se vão autonomizando. Enquanto promotores culturais, as galerias procuram igualmente afirmar valores de mercado para os artistas que representam. Mas a falta de uma política cultural, estratégica, integrada e pública, aliada à privatização do meio condiciona a criação artística, a circulação e a acessibilidade da arte.

Dez anos depois, o mercado da arte no Porto reinventa-se como celebração da urbanidade, concentrando a actividade das galerias ao longo da rua Miguel Bombarda. Surgem as galerias Canvas & Companhia (1996), André Viana (1996), Serpente (1998), GLBox (2001), Marta Vidal (2001), Graça Brandão (2002) e a Reflexus / Nuno Centeno (2007), entre muitas outras. Uma rua aparentemente de sentido único e, à imagem das ruas de ofícios, plural mas convergente.

A mudança de século e a crise económica obrigaram a uma nova metamorfose, conduzindo ao aparecimento de uma nova rede de lugares alternativos organizadas para resistir à Troika, o que provocou nova mutação nesta paisagem artística urbana.

Contra o regime ou com o seu apoio, num vazio institucional ou alimentando museus, isolada ou globalizada, central ou periférica, herdeira de um contexto social conservador isento de discurso crítico e resistente à inscrição de novas gerações de artistas, a paisagem histórica das galerias de arte no Porto é feita de cidadania e comércio, de uma arte não apenas de culto, mas com valor de troca: uma galeria de histórias.