Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA




Outras recomendações:

Exercícios de Comunicação Poética com Outros Operadores Estéticos


Ernesto de Sousa
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Sarkis


Cláudio Garrudo
Galeria das Salgadeiras (Atalaia), Lisboa

FPM#3 – Da construção ao imaginário


COLECTIVA
Fundação PLMJ, Lisboa

NOVA GENTE


Musa Paradisíaca
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

A NATUREZA EM MOVIMENTO


Alberto Carneiro
Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso

ARRÁBIDA BOUND


Miguel Palma, Luís Palma
.insofar art gallery, Lisboa

ARQUEÓLOGAS DO AFECTO


Erica Maluguinto, Hariel Revignet, Kika Carvalho, Mariana Rodrigues, Rosana Paulino
Bruno Múrias,

WE LOVE UGO RONDINONE


São José Correia
Plataforma Revólver, Lisboa

SAUDADES


Paula Rego
Galeria 111, Lisboa

1189 - 2021 : COMMENTARIUM IN APOCALYPSIN


Magda Delgado, Pedro Pascoinho
No.No, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MÁRIO MACILAU

Sombras do Tempo




GALERIA MOVART
Rua João Penha 14A RC
1250-131 LISBOA

23 SET - 11 NOV 2021


INAUGURAÇÃO: 23 de Setembro as 18:00 horas, na Galeria MOVART



Sombras do Tempo
de Mário Macilau


A Galeria MOVART apresenta pela primeira vez em Lisboa o fotógrafo moçambicano, Mário Macilau (Maputo, 1984), com a exposição individual Sombras do Tempo, onde será apresentada uma série inédita de fotografias intitulada “Círculo de memória”, sob a curadoria de Ekow Eshun (Inglaterra, 1968).

Neste novo trabalho, Macilau fotografa edifícios abandonados da época do colonialismo que, como nos mostra, estão presentes por toda a parte em Moçambique. Apesar de terem perdido as suas características de funcionalidade orgânica, cada fotografia localiza figuras, muitas vezes de mulheres ou crianças, cuja imagem levita sobre difíceis encontros com as estruturas em ruínas que as envolvem. São imagens que evocam qualquer coisa de estranho e melancólico, de uma vida ao lado de despojos numa zona devastada.

Através deste registo fotográfico, o artista faz a escolha do que é visível e do que deve ser ocultado, ou por desvendar. Aqui os fantasmas não são as pessoas, mas o espelho de uma ideologia falhada – a ação moralmente fracassada do colonialismo, com a proclamação da violência em nome do progresso.



:::



Mário Macilau (Maputo, 1984) nasceu em Maputo onde continua a viver e a trabalhar. Aprendeu fotografia em 2003 quando trocou o telemóvel da sua mãe por uma máquina fotográfica e tornou-se fotógrafo profissional a tempo inteiro, desde 2007. Poucos anos depois, o seu talento atravessou fronteiras, tendo o fotógrafo sido galardoado com diversos prémios internacionais de relevo, viajado muito e visto o seu trabalho publicado em algumas das mais prestigiadas galerias, feiras de arte e exposições por todo o mundo.
A sua atividade fotográfica foca-se em temas como a identidade, as questões políticas e as condições ambientais, tendo mesmo trabalhado com grupos socialmente isolados, para sensibilizar o seu público, não só das muitas injustiças sociais e desigualdades sociais no mundo, mas também para mostrar histórias de humanidade, fraternidade, vitória, amor e esperança. Com frequência, o retrato é o seu ponto de partida, sendo a sua abordagem instrumental para revelar uma perspetiva mais ampla.