Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



Outras recomendações:

Exercícios de Comunicação Poética com Outros Operadores Estéticos


Ernesto de Sousa
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Sarkis


Cláudio Garrudo
Galeria das Salgadeiras (Atalaia), Lisboa

FPM#3 – Da construção ao imaginário


COLECTIVA
Fundação PLMJ, Lisboa

NOVA GENTE


Musa Paradisíaca
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

A NATUREZA EM MOVIMENTO


Alberto Carneiro
Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso

ARRÁBIDA BOUND


Miguel Palma, Luís Palma
.insofar art gallery, Lisboa

ARQUEÓLOGAS DO AFECTO


Erica Maluguinto, Hariel Revignet, Kika Carvalho, Mariana Rodrigues, Rosana Paulino
Bruno Múrias,

WE LOVE UGO RONDINONE


São José Correia
Plataforma Revólver, Lisboa

SAUDADES


Paula Rego
Galeria 111, Lisboa

1189 - 2021 : COMMENTARIUM IN APOCALYPSIN


Magda Delgado, Pedro Pascoinho
No.No, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


FERNANDO LANHAS

Lanhaslândia (Expandida)




GALERIA QUADRADO AZUL (NOVO ESPAÇO EM LISBOA)
Rua Reinaldo Ferreira, nº 20-A, em Alvalade.
1700-323 LISBOA

24 SET - 13 NOV 2021


Inauguração: 24 de Setembro, das 16h às 20h, na Galeria Quadrado Azul de Lisboa




Lanhaslândia (Expandida)
de Fernando Lanhas

Curadoria de Miguel von Hale Pérez

24 Setembro — 13 Novembro 2021



Depois de inicialmente apresentada na Galeria Ouadrado Azul no Porto em 2020, apresenta-se agora a versão da exposição 'Lanhaslândia (expandida)', com a inclusão de pegas novas que apontam a possibilidade de aproximação a um universo tão complexo quanto único.


:::


Há artistas que demarcam um território criativo tão singular que dificilmente se deixam posicionar no fluxo continuo da historia da arte.
Fernando Lanhas (Porto, 1923 — 2012) será sempre mencionado como percursor do abstracionismo em Portugal, mas é provável que tal etiqueta acabe por ser contraproducente na informada receção da magnitude projetual dos seus desígnios artísticos.
A dimensão sísmica de réplicas continuadas é aquilo que melhor define o território Lanhas: uma obra que não se vincula exclusivamente a um tempo determinado, antes uma cartografia difusa, avassaladora e atuante do exercício constante da curiosidade estética e cientifica.
A sua obra é presente continuo, é exemplo erigido a partir de uma idiossincrática abertura ao desconhecido. Arquitetura, cosmologia, astronomia, arqueologia, museologia, poesia e arte não são mais do que saberes-constelações em mutante interconexão que um cérebro e um corpo, em determinada altura, souberam interpretar como fonte de infinitas interrogações, tanto na claridade racional, como na especulação quase xamânica.
O Lanhas que toca, mede, mapeia e divulga. O Lanhas que levita na ação poética, no escrutínio plástico, na densidade quase mínimal da palavra precisa, da pintura elemental, rigorosa e modernamente universal.
Lanhaslândia: um pais sem fronteiras, que tal como o seu fundador tem a capacidade de em sonho levitar com a gravidade profunda de um saber-outro que nos desarma e deixa em continuo sobressalto.
Esta exposição não é mais do que um apontamento indexical dessa desterritorialização da expectável convencionalidade do fazer artástico.
Entre os seus magníficos estilhaços contam-se:
- anedotas publicadas no Primeiro de Janeiro entre 1946 e 1950, cuidadosamente recortadas e guardadas pelo seu autor (na altura assinando com o pseudónimo Clemente);
- uma fotografia ampliada de um conjunto de centenas de slides que documentam viagens de estudo e momentos de descoberta num território que aquele olhar interpretava como ninguém, nela, imponente e telúrico, Lanhas olha a imensidão granítica da paisagem com a confiança de quem sabe pertencer a um território;
- desenhos inéditos, aqui mostrados por cortesia da família do artista;
- duas pinturas, excecionais, datadas de 1949 e 1960, a geometria de cores planas e matéricas e as linhas sabiamente dispostas traduzem um exercício de universalidade intemporal, como se pudessem ter sido criadas hoje ou ha mais de dez mil anos;
- um sonho: transcrições que o artista efetuava dos seus estados oníricos, onde o mundo se virava do avesso num magma que cruza o humor, o visionarismo, a estupefação, o absurdo e até a sexualidade;
- seixos pintados, numa intervenção sem paralelo no contexto da aproximação da arte à natureza pela sua desarmante simplicidade e eficácia estética;
- mapas (de grandezas e naturezas distintas);
- um desconcertante projeto de um dispositivo fotográfico aéreo;
- apresentações de projetos de arquitectura;
- dois fosseis (graptólitos) descobertos em 1943 que evidenciam sinais verdadeiramente premonitórios e ecoantes de uma natureza abstrata da pintura por vir.

Lanhaslândia é, assim, a incompletude assumida de uma pergunta sempre repetida por Fernando Lanhas: “o que é isto tudo?”.


Miguel von Hale Pérez