Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



S/ título, carvão, carvão prensado sobre papel, 70 x 100 cm, Diogo Costa 2021

Outras recomendações:

Exercícios de Comunicação Poética com Outros Operadores Estéticos


Ernesto de Sousa
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Sarkis


Cláudio Garrudo
Galeria das Salgadeiras (Atalaia), Lisboa

FPM#3 – Da construção ao imaginário


COLECTIVA
Fundação PLMJ, Lisboa

NOVA GENTE


Musa Paradisíaca
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

A NATUREZA EM MOVIMENTO


Alberto Carneiro
Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso

ARRÁBIDA BOUND


Miguel Palma, Luís Palma
.insofar art gallery, Lisboa

ARQUEÓLOGAS DO AFECTO


Erica Maluguinto, Hariel Revignet, Kika Carvalho, Mariana Rodrigues, Rosana Paulino
Bruno Múrias,

WE LOVE UGO RONDINONE


São José Correia
Plataforma Revólver, Lisboa

SAUDADES


Paula Rego
Galeria 111, Lisboa

1189 - 2021 : COMMENTARIUM IN APOCALYPSIN


Magda Delgado, Pedro Pascoinho
No.No, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DIOGO COSTA

Uma Figura Semelhante




DIOGO COSTA ATELIER
Rua Capitão Leitão 103
ALMADA

22 SET - 17 OUT 2021


Inauguração: 22 setembro / 18h, no Atelier do artista

De 23 de setembro a 17 de outubro 2021


UMA FIGURA SEMELHANTE
Diogo Costa


Diogo Costa apresenta Uma figura Semelhante, uma exposição no seu atelier, situado no prédio da Universidade Popular de Almada. Este projeto e o autor receberam o Prémio Jovem Promessa Artes na 10a edição do concurso Jovens Talentos Almada 2021, organizado pela Câmara Municipal de Almada.



Uma instalação de desenho que se articula com a escrita, num diálogo entre a imagem e a palavra.
Desenhos a carvão e a carvão prensado sobre papel, exploram a paisagem como elemento aglutinador entre dualidades. Nas formas circulares que omitem parcialmente a visão, surgem interrupções no olhar e na possibilidade de descrever com clareza aquilo que se vê.
Folhas de papel amachucadas povoam o chão, encerrando em si o registo das palavras guardadas, rejeitadas ou soltas ao acaso. É pela oclusão destes papéis e destas formas, que a linguagem e a subjetividade tomam lugar, para que num gesto recíproco, a paisagem se transforme, se multiplique e se faça plural.
Na busca pelo sentido, o observador vê, desembrulha e vagueia, fazendo também parte deste enquadramento num ambiente que alberga a expressão livre, quer na memória como no registo de uma introspeção.


Visitas por marcação / De 23 setembro a 17 outubro
Diogo Costa / diogoar.costa@mail.com / 965 492 548