Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA





Outras recomendações:

Exercícios de Comunicação Poética com Outros Operadores Estéticos


Ernesto de Sousa
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Sarkis


Cláudio Garrudo
Galeria das Salgadeiras (Atalaia), Lisboa

FPM#3 – Da construção ao imaginário


COLECTIVA
Fundação PLMJ, Lisboa

NOVA GENTE


Musa Paradisíaca
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

A NATUREZA EM MOVIMENTO


Alberto Carneiro
Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso

ARRÁBIDA BOUND


Miguel Palma, Luís Palma
.insofar art gallery, Lisboa

ARQUEÓLOGAS DO AFECTO


Erica Maluguinto, Hariel Revignet, Kika Carvalho, Mariana Rodrigues, Rosana Paulino
Bruno Múrias,

WE LOVE UGO RONDINONE


São José Correia
Plataforma Revólver, Lisboa

SAUDADES


Paula Rego
Galeria 111, Lisboa

1189 - 2021 : COMMENTARIUM IN APOCALYPSIN


Magda Delgado, Pedro Pascoinho
No.No, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ERICA MALUGUINTO, HARIEL REVIGNET, KIKA CARVALHO, MARIANA RODRIGUES, ROSANA PAULINO

ARQUEÓLOGAS DO AFECTO




BRUNO MÚRIAS
Rua Capitão Leitão 10-16
1950-051 LISBOA

20 NOV - 30 DEZ 2021


Inauguração: 20 de novembro 2021, 14h-19h


Arqueólogas do Afeto

ARTISTAS
Rosana Paulino
Hariel Revignet
Mariana Rodrigues
Kika Carvalho
Erica Malunguinho

Curadoria Renata Felinto



“Coloquei no papel as aspirações da mulher no campo afetivo para que o mundo as veja, as reconheça e reflita sobre elas. Se as próprias mulheres não gritam quando algo lhes dá amargura da forma como pensam e sentem, ninguém o fará da forma como elas desejam”
Paulina Chiziane, em Eu mulher… por uma nova visão do mundo

Arqueólogas do Afeto, que a Galeria Bruno Múrias agora apresenta, é a proposição da política dos afetos como estratégia às práticas coloniais que estruturam as relações no Ocidente.
Parte de uma perspetiva de resgate de epistemologias ancestrais de cura, de relacionamento e de espiritualidade partilhada por povos afro-diaspóricos, como alternativa artística e crítica ao modelo de vida fundado pela modernidade.
Fortalecem essa abordagem da arte as criações das artistas afro-brasileiras Erica Malunguinho, Hariel Revignet, Kika Carvalho, Mariana Rodrigues e Rosana Paulino. Da pintura sobre tela às foto-performances, escavam os processos de nascimento de obras criadas, não a partir da reiteração da amargura das opressões, mas sim a partir do fortalecimento das resistências organizadas na doçura da malungagem.
Erica Malunguinho apresenta trabalhos da série Engoli facas, pari caminhos ou Onde queres a dor sou revolução, que registam as suas respostas às violências contra a sua condição interseccional, transfiguradas em exercícios estéticos e conceptuais. Entre as polaridades da faca que corta e a flor que foi lesada, ela traz um soro ao adoecimento corpóreo, emocional e mental.
A fim também de abrandar as enfermidades, Hariel Revignet investiga as epistemologias das antigas acerca da sabedoria que cura, presente nas propriedades da arruda, alecrim e alfazema que compõem o políptico Tecnologia ancestral: Afeto das Ervas.
Kika Carvalho, na série Encontros, retrata artistas negras brasileiras, como a grande dama da dramaturgia Ruth de Souza (1921-2019). Homenageia o desbravar das mesmas no campo das artes e anuncia a sua elevação ao estatuto de ancestrais. A escolha do azul ultramarino relaciona-se com a escassez desse pigmento na era pré-industrial, em aproximação à parca presença de pessoas como ela no meio artístico. Por fim, é também uma alusão à paisagem litoral da sua cidade natal.
As potencialidades do feminino, do colorido e da abstração também se apresentam nas pinturas de Mariana Rodrigues, que desenvolve a sua produção a partir da liberdade expressiva que a conecta com outras camadas do espiritual.
Finalmente, Rosana Paulino apresenta duas séries de desenhos, Búfala e Senhora das Plantas, que tratam da juventude e da maturidade como momentos do desenvolvimento da mulher; e a vídeo-performance Das Avós, que revisita a vasta iconografia brasileira de fotografias do século XIX e homenageia retratos de mulheres escravizadas que poderiam ser avós, bisavós, tetravós de qualquer pessoa negra brasileira.
Todas estas artistas visuais, nas suas diferentes idades, peles e subjetividades, perfuram as terras rígidas da conceção do que é arte a partir de um único procedimento concebido pelo cânone Ocidental. Com as diversas linguagens, materialidades, conceitos e poéticas ativadas, são proporcionadas várias visualidades de reconhecimento e reverência às suas linhagens, bem como feitas revisões de historicidades que nos religam ao afeto enquanto riqueza arqueológica de direito de todos e todas, imprescindível para vivermos o presente.

Renata Felinto
Lisboa, Novembro de 2021