Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS PALAVRAS EM LIBERDADE — E.M. DE MELO E CASTRO: O ARTISTA E A SUA COLEÇÃO


COLECTIVA
Fundação de Serralves, Porto

Aquisições. Núcleo de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa


COLECTIVA
Galerias Municipais de Lisboa - Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

A Moeda Viva


COLECTIVA
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

JÚLIA VENTURA 1975-1983


Júlia Ventura
Culturgest, Lisboa

Problemas do Primitivismo – a partir de Portugal


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

ANARCHIVAL FRAMES


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

11 Livros para 11 Artistas


COLECTIVA
Biblioteca de Alcântara, Lisboa

Acts of Transformation


FUTURA e REVOK
Galeria Underdogs, Lisboa

Nosso Barco Tambor Terra


Ernesto Neto
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Profanações




FIDELIDADE ARTE
Largo do Chiado, 8
1249-125 LISBOA

29 MAI - 01 SET 2023


INAUGURAÇÃO: 26 de Maio das 22h00 às 24h00

Curadoria: David Revés

Artistas: Albrecht Dürer, Annie Sprinkle & Beth Stephens, António da Silva, Christine Henry, Francisca Sousa, Igor Jesus, Isabel Cordovil, Jol Thoms, Mariana Gomes, Odete, Paulo Serra, Pedreira, Pedro Moreira, Plastique Fantastique, Rasmus Myrup, Sonja Alhäuser

:::


Profanar os corpos, profanar o Tempo, profanar a História. Numa apropriação do título do livro homónimo de Giorgio Agamben, Profanações pretende avaliar criticamente os ideais racionalistas de Progresso e sua maquinaria de mobilização cinética sob os quais as sociedades ocidentais se têm orientado. Afirmando a profanação enquanto gesto especulativo que possibilite a criação de novos horizontes para pensar e fazer-mundo, esta exposição reunirá obras de diferentes naturezas e origens, propondo distintas modalidades de pressionar a História e suas expectativas normalizadoras, assim como procurando exaltar todas as materialidades — esquecidas, presentes e futuras — que existem no seu interior.

Caminharemos, assim, por territórios estéticos que se situam entre o transcendente e o telúrico, convocando produções oriundas da religião, bruxaria, sexualidade, adivinhação, entre outras, que se afirmam como formas de contrariar dispositivos de controlo, rigidificação e previsão da experiência. Em tudo isto uma ideia latente: a que encara a Matéria e a Terra — e todos os seus ritmos, paixões e tumultos — como forças agenciais, radicais e absolutas.