Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Lightless


Sara Bichão
Fundação de Serralves, Porto

ALFÂNDEGA


Paulo Nazareth
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

O frio da casa permanece no meu corpo


Albuquerque Mendes
Museu da Guarda, Guarda

Os Passeios com Caronte


Rui Algarvio
Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa

Água viva


Rita Gaspar Vieira
Salgadeiras Arte Contemporânea, Lisboa

Campos Magnéticos


COLECTIVA
Espaço MIRA, Porto

Cacto-orquídea


COLECTIVA
Hub Criativo do Beato, Lisboa

AO LADO DO POMAR


COLECTIVA
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

ISDN


Stan Douglas
Fundação de Serralves, Porto

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DIANA POLICARPO & ODETE

Fogo Posto




LEHMANN + SILVA
Rua Duque da Terceira 179
4000 - 535

03 JUN - 31 JUL 2023


INAUGURAÇÃO: 3 de Junho entre as 17h00 e as 20h00


:::


"FOGO POSTO (2023) é a segunda instalação realizada por Diana Policarpo e Odete. Desde LYSIS (2021), como duo artístico, Diana e Odete têm explorado uma base teórica e uma experiência de vida em comum, desenvolvendo um trabalho que combina as áreas das artes audiovisuais, dentro de uma prática multidisciplinar, utilizando diferentes mídias.

Na instalação FOGO POSTO, Diana e Odete exploram, por meio de palavras, imagens, sons, toques de cor e linhas, um discurso poético que tangência a ficção cientifica e a fabulação especulativa. Utilizam uma variedade de recursos, desde desenhos em papel a suportes cinematográficos, para transportar o público a um futuro no rescaldo da história da medicina reprodutiva inserida em sistemas patriarcais, sem garantias de justiça reprodutiva. A instalação convida a uma reflexão sobre discursos institucionais e constitucionais, percepções e experiências de (im)possibilidades de autonomia e autodeterminação, em relação ao corpo."

JOANA RAFAEL

Excerto do texto da exposição