Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



'Já nem sei se são pedras, fragmentos de estátuas ou restos de corpos', 2023. Guache sobre papel. © Carlos Campos / Cortesia Clube de Desenho


'Mulher visionária e Visões', 2022. Óleo sobre papel. © Carlos Campos / Cortesia Clube de Desenho


'Estratégias do pensamento: arquivo pessoal', 2009 - 2024. Imagens resgatadas a livros, fotografias, desenhos e textos. © Carlos Campos / Cortesia Clube de Desenho


'Estratégias do pensamento: arquivo pessoal', 2009 - 2024 (pormenor). © Carlos Campos / Cortesia Clube de Desenho

Outras recomendações:

Do Labirinto ósseo do homem ao eixo do Rochedo


Marcelo Moscheta
Museu de História Natural e da Ciência, Lisboa

ANAGRAMAS IMPROVÁVEIS. OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES. & C.A.S.A. COLEÇÃO ÁLVARO SIZA, ARQUIVO


COLECTIVA
Ala Álvaro Siza, Porto

Terra Estreita


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

a pele da água


Pedro Tudela e Zés Pereiras
VNBM – arte contemporânea, Viseu

QUID


Isabel Sabino
Centro Cultural de Cascais, Cascais

Álbum de Família


COLECTIVA
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Mirror Drumming


João Biscainho
Appleton Square , Lisboa

Double Jeu


André Cepeda
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Cores Vistas de Dentro para Fora


COLECTIVA
Fundação Gramaxo, Maia

Exposições dos 60 anos da Galeria 111


COLECTIVA
Galeria 111 (Lisboa), Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


IRENE LOUREIRO

Inferno do Inverno




CLUBE DE DESENHO
Rua da Alegria 970
4000-040 PORTO

27 JAN - 02 MAR 2024


INAUGURAÇÃO: sábado, 27 de Janeiro, entre as 18h e as 21h no Clube de Desenho, Porto

A exposição estará patente até 2 de Março e poderá ser visitada de quarta a sexta das 14h30 às 19h e sábados das 10h30 às 13h e das 14h30 às 18h.



Inferno do Inverno
de Irene Loureiro


A exposição reúne parte de um arquivo de imagens da artista, e várias pinturas a óleo e a guache, que em certos casos se poderiam designar como desenhos com cor. Estas representações, de execução relativamente rápida e em cores saturadas, abrem-se à exploração poética pontuada pelo humor: surgem-nos personagens incompletas - esburacadas, entaladas, desfiguradas -, pedras que insinuam figuras humanas, sínteses abstratas, vegetação que brota de rochedos e fragmentos que se confundem com partes do corpo humano. No seu conjunto, evocam o estado de transcendência do sujeito pela transfiguração das personagens, mas também o estado da autora no impulso do fazer e no devir da pintura, próprios ao ato de criação.

Parte das imagens de arquivo aqui apresentadas, foi resgatada a publicações de história da arte, entre as quais se documentam fragmentos de estátuas partidas da antiguidade clássica, mas também se incluem imagens relativas a memórias de viagens e temas avulsos, tais como montanhas e formações rochosas. É a partir delas que a autora elabora, por meios gráficos e pictóricos, reconfigurações sucessivas dos temas e das suas relações de significado.

Os desenhos ou pinturas vão revelando associações e analogias entre assuntos aparentemente dissociados. A reinvenção dos seus significados surge algo orientada pela escrita de caráter diarístico, as citações, os chorrilhos de palavras e derivações fonéticas que afinam ligações com os títulos dos trabalhos. São tentativas de fazer emergir uma interioridade, isto é, revelar das imagens, e através delas, uma latência invisível, uma essência pressentida, mas incircunscritível, uma dimensão psíquica ou filosófica, eventualmente uma condição absurda, impenetrável ou multiplamente interpenetrada…

Esta é uma prática incessante, é um fazer non finito, um fluxo que projeta inúmeros caminhos interpretativos, possibilidades sempre abertas, na medida em que o significado de uma imagem não se fecha em si, não se realiza nem se constrói isoladamente, dentro do seu enquadramento físico exclusivo. Pelo contrário, a indagação dos seus possíveis significados, assim como a exploração das suas aparências, realiza-se a enriquece-se sucessivamente no encontro com outras imagens.

Para além de um impulso de retorno à natureza como desejo de reconciliação, de necessidade de experiência sensorial e preenchimento de um vazio espiritual, a exposição Inferno do Inverno alude, também, para uma convivência do sujeito com a paisagem natural além da contemplação: onde não somos meros burgueses a olhar para as montanhas e a recolher fragmentos como coisa sagrada se tratasse. Escapando a tendências moralizantes, há aqui uma mistura entre romantismo e animismo em que se subentende uma relação entre um norte granítico e os humores de quem nele vive.

No seu conjunto, a exposição resulta enquanto materialização de um imaginário afetivo de dimensões anímicas e psíquicas suscitadas pela contemplação e pela experiência. Em traços gerais, prevalece a relação figurativa com a fragmentação escultórica e a presença das formações rochosas cuja angulosidade exprime, não tanto a sua aparência superficial e ótica, mas a força que impele a partir do seu interior.

Irene Loureiro
Luís Fortunato Lima




:::



Irene Loureiro (1980) é membro do coletivo artístico PIZZ BUIN fundado em 2005. Individualmente apresentou o seu trabalho na exposição 'Mão que dá, mão que atira' (Galeria da Casa da Imagem, 2014) e em 'On the Road à Procura do Senhor' (Galeria do atelier Cirurgias Urbanas, 2009). Tem desenhos publicados no 'Mapa #16', 'Três Três #7', e em 'Carne e Osso #2'. É mestre em Desenho e Técnicas de Impressão (FBAUP, 2012) e licenciada em Artes Plásticas (ESAD-CR, 2005). Publicou o artigo 'O anterior e interno ao fazer: Desenho a partir de imagens do arquivo pessoal', em 'Fotografia e Arquivo', (CEAA/ESAP, 2015). Colabora com a Casa da Imagem e com o Clube de Desenho. Leciona regularmente Artes Visuais e de momento é docente no IPVC.