Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS PALAVRAS EM LIBERDADE — E.M. DE MELO E CASTRO: O ARTISTA E A SUA COLEÇÃO


COLECTIVA
Fundação de Serralves, Porto

Aquisições. Núcleo de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa


COLECTIVA
Galerias Municipais de Lisboa - Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

A Moeda Viva


COLECTIVA
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

JÚLIA VENTURA 1975-1983


Júlia Ventura
Culturgest, Lisboa

Problemas do Primitivismo – a partir de Portugal


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

ANARCHIVAL FRAMES


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

11 Livros para 11 Artistas


COLECTIVA
Biblioteca de Alcântara, Lisboa

Acts of Transformation


FUTURA e REVOK
Galeria Underdogs, Lisboa

Nosso Barco Tambor Terra


Ernesto Neto
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DÉLIO JASSE

The Colonies Will be Countries




GALERIAS MUNICIPAIS - PAVILHÃO BRANCO
Campo Grande, 245
1700-091 LISBOA

13 ABR - 30 JUN 2024


INAUGURAÇÃO: 12 de Abril às 18h00 no Pavilhão Branco, Lisboa

Curadoria: Marta Jecu



:::


A exposição individual de Délio Jasse, The Colonies will be Countries [As Colónias Vão Ser Países] apresenta uma panorâmica das diversas abordagens do artista ao material de arquivo, que vão da escultura a ambientes imersivos de som e imagem, à cianotipia e instalação fotográfica.

O seu trabalho multimédia suportado na imagem tem como ponto de partida registos do período colonial português em Angola, tais como fotografias, postais, textos de documentos oficiais ou carimbos administrativos.

Délio Jasse fotografa fotografias, revisitando os processos através dos quais a imagem desenvolve o seu poder de persuasão e ilusão. Apropria-se e descontextualiza imagens e documentos vernáculos descartados, desviando o olhar do que é representado nas imagens (e do seu valor de registo) para o observador: a objetiva fotográfica do fotógrafo colonial. Esta exposição reflete sobre os múltiplos modos como os códigos de representação constroem a política do visível, e a forma como as imagens não só revelam, como também ocultam o «real».