Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS PALAVRAS EM LIBERDADE — E.M. DE MELO E CASTRO: O ARTISTA E A SUA COLEÇÃO


COLECTIVA
Fundação de Serralves, Porto

Aquisições. Núcleo de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa


COLECTIVA
Galerias Municipais de Lisboa - Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

A Moeda Viva


COLECTIVA
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

JÚLIA VENTURA 1975-1983


Júlia Ventura
Culturgest, Lisboa

Problemas do Primitivismo – a partir de Portugal


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

ANARCHIVAL FRAMES


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

11 Livros para 11 Artistas


COLECTIVA
Biblioteca de Alcântara, Lisboa

Acts of Transformation


FUTURA e REVOK
Galeria Underdogs, Lisboa

Nosso Barco Tambor Terra


Ernesto Neto
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Amor I Love You




PAVILHÃO 31
Av. do Brasil, 53 1749-002 LISBOA


12 ABR - 08 JUN 2024


INAUGURAÇÃO: 11 de Abril às 18h00 no Pavilhão 31 do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

Artistas participantes: Belén Uriel, Carla Cabanas, Daniela Krtsch, Daniel Arthur, Dayana Lucas, Inês Brites, Joana Ramalho, João Gabriel, Mané Pacheco, Mariana Viegas, Maura Grimaldi, Nádia Duvall e Sara Bichão

Curadoria: Giulia Lamoni e Margarida Brito Alves



:::


Projeto em torno da noção de amor nas múltiplas e muito diferentes expressões que a mesma pode assumir, Amor I Love You desdobra-se numa exposição coletiva, com inauguração dia 11 de abril no Pavilhão 31 do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa (CHPL/ Hospital Júlio de Matos), e numa publicação, a lançar até final de junho.

Com curadoria de Margarida Brito Alves e Giulia Lamoni, este projeto promovido pela Associação P28 em parceria com a Stolen Books procura explorar a forma como as práticas artísticas contemporâneas têm vindo a re-imaginar o amor não apenas numa perspetiva afetiva, mas também ética e política, contando para isso com o contributo de um conjunto de artistas, pondo em relação os seus diferentes olhares, registos, orientações e experiências.

Com efeito, e como nos propôs Alain Badiou (2009), o amor é um encontro entre subjetividades, um processo, uma construção, ou mesmo um trabalho que é feito através de um exercício de partilha. O amor é uma re-invenção da vida e precisa de ser constantemente reinventado, reinventando também o mundo em seu redor. Enquanto conexão em constante reformulação, o amor desafia-nos assim a pensar as nossas experiências através de um prisma relacional.

Tomando de empréstimo o título de uma música de Marisa Monte, a exposição procura constituir-se como um contributo para pensar o amor enquanto força transformadora – força essa que pode operar nas mais diversas escalas: dos gestos mínimos do quotidiano às formas de relação que criamos, ou ao modo como vivemos em coletivo. Nesse sentido, as obras apresentadas no Pavilhão 31 – além de garantirem desde já a oportunidade de apreciar in loco parte significativa do corpo de trabalho contemplado no projeto – materializam diferentes possibilidades de explorar o potencial do que entendemos por amor, tendo em conta as suas singularidades e intensidades, mas também as suas tensões e dualidades. É, pois, a partir desta abertura que estas obras percorrem territórios como a imaginação e a projeção; a fantasia e a idealização; o corpo e a sexualidade; o desejo e o prazer; o risco e a segurança; a força, a fragilidade e a resiliência; a dor, a tristeza e a desilusão; mas também a amizade, o cuidado ou a proximidade.

A P28 é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura/ Direção-Geral das Artes, no âmbito do Programa de Apoio Sustentado às Artes, Biénio 2023-24.