Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS PALAVRAS EM LIBERDADE — E.M. DE MELO E CASTRO: O ARTISTA E A SUA COLEÇÃO


COLECTIVA
Fundação de Serralves, Porto

Aquisições. Núcleo de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa


COLECTIVA
Galerias Municipais de Lisboa - Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

A Moeda Viva


COLECTIVA
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

JÚLIA VENTURA 1975-1983


Júlia Ventura
Culturgest, Lisboa

Problemas do Primitivismo – a partir de Portugal


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

ANARCHIVAL FRAMES


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

11 Livros para 11 Artistas


COLECTIVA
Biblioteca de Alcântara, Lisboa

Acts of Transformation


FUTURA e REVOK
Galeria Underdogs, Lisboa

Nosso Barco Tambor Terra


Ernesto Neto
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


HENRIQUE RUIVO

Boato




TINTA NOS NERVOS
Rua da Esperança 39 Madragoa


20 ABR - 18 MAI 2024


INAUGURAÇÃO: 20 de Abril às 16h00 na Galeria Tinta Nos Nervos, Lisboa


:::


Este ano celebramos o 25 de Abril e os 50 anos do começo da vida democrática no nosso pais.
A exposição «Boato» de Henrique Ruivo integra as comemorações desse momento fundador na Tinta nos Nervos. Nascido em plena ditadura, no Alentejo, Henrique Ruivo (1935-2020) deu voz no seu trabalho gráfico e plástico ao combate pela liberdade, à resistência e à aspiração por dias melhores.

Os trabalhos em mostra datam sobretudo da década de 1970, com particular incidência no periodo revolucionário e anos posteriores, quando pintura e obra gráfica se contaminaram, influenciaram e criaram territórios de leitura e pesquisa comuns, para lá de especificidades disciplinares e dos momentos em que foram produzidas.

Reúnem-se projectos gráficos realizados em diferentes contextos (da pesquisa artística à intervenção, à contestação) e em diversos suportes: Ilustração, Cartoon político, Caricatura, Propostas gráficas para Jornais, Revistas, Livros (capas para múltiplas editoras), Autocolantes, Capas de discos, Cartazes, Serigrafias, Pintura.

A maior parte dos originais de desenho são inéditos, muitos produzidos no âmbito da sua participação activa na redação e composição gráfica da revista Seara Nova, e as pinturas e esculturas raramente vistas após o contexto expositivo original.

Num discurso autoral em que o humor é quase sempre pedra de toque, sátira e critica mais aguerrida caminham sempre de mãos dadas com uma transbordante alegria de poder participar nos dias da revolução.

O percurso inicia-se com uma publicação autoeditada, o jornal O Cacete, de 1969, de que se mostram desenhos e matrizes originais. Impressa em Roma, onde o artista vive exilado de 1962 a 1974, o 1º numero teve uma tiragem de centenas de exemplares, distribuidos clandestinamente por vários nucleos de resistentes antifascistas em Itália, França, Inglaterra, Argelia e Portugal.

O cartaz Boato, de 1975, dá nome à exposição. Peça de resistência revolucionaria aludia à figura criada por Quito no apelo à manifestação da maioria silenciosa para corporizar, em contraposição, a necessidade de manutenção dum estado de alerta constante contra tudo o que pudesse ameaçar ou comprometer a liberdade alcançada. A par do poster, que foi editado em vários formatos (ed. Dinamização Cultural.Acção Civica / MFA) , mostram-se, pela primeira vez, esboços originais onde se estudaram cores e soluções de composição.