Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS PALAVRAS EM LIBERDADE — E.M. DE MELO E CASTRO: O ARTISTA E A SUA COLEÇÃO


COLECTIVA
Fundação de Serralves, Porto

Aquisições. Núcleo de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa


COLECTIVA
Galerias Municipais de Lisboa - Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

A Moeda Viva


COLECTIVA
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

JÚLIA VENTURA 1975-1983


Júlia Ventura
Culturgest, Lisboa

Problemas do Primitivismo – a partir de Portugal


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

ANARCHIVAL FRAMES


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

11 Livros para 11 Artistas


COLECTIVA
Biblioteca de Alcântara, Lisboa

Acts of Transformation


FUTURA e REVOK
Galeria Underdogs, Lisboa

Nosso Barco Tambor Terra


Ernesto Neto
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Pré/Pós ― Declinações visuais do 25 de Abril




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 PORTO

24 ABR - 20 OUT 2024


INAUGURAÇÃO: 23 de Abril às 19h00 no Museu de Serralves

Curadoria: Miguel von Hafe Pérez



:::


Pré/Pós - Declinações visuais do 25 de Abril é uma exposição que comemora os 50 anos da Revolução dos Cravos. Mais do que um simples gesto celebrativo, este projeto pretende investigar as tensões, as contradições e os movimentos paradoxais que marcam os períodos imediatamente anteriores e posteriores à Revolução. Num arco cronológico de 1970 a 1977, a exposição regista como o universo das artes refletiu as experiências e sentimentos que terão acompanhado o processo revolucionário e como este se desenvolveu entre o entusiasmo utópico e a apreensão contida.

Dando visibilidade a artistas e a obras pouco conhecidas no nosso contexto, esta é uma oportunidade única para pensar este período tão rico quanto conturbado da nossa história da arte, onde o manifesto político tanto pode assumir uma vertente mais panfletária, como afirmar-se através de obras de cariz mais conceptual enquanto suporte discursivo e formal das liberdades desejadas e atingidas. Nos mais de trezentos trabalhos expostos que abarcam meios tão variados como a pintura, a escultura, a fotografia, o filme, a gravura, a instalação, o cartaz e a edição de livros e revistas, sublinha-se a presença sísmica das múltiplas representações do corpo, muitas vezes trespassado por referências políticas desafiantes.


A exposição foi organizada e produzida pela Fundação de Serralves.