Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

AS PALAVRAS EM LIBERDADE — E.M. DE MELO E CASTRO: O ARTISTA E A SUA COLEÇÃO


COLECTIVA
Fundação de Serralves, Porto

Aquisições. Núcleo de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Lisboa


COLECTIVA
Galerias Municipais de Lisboa - Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, Lisboa

New Age Kids


Pauliana Valente Pimentel
Galeria Diferença, Lisboa

A Moeda Viva


COLECTIVA
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

JÚLIA VENTURA 1975-1983


Júlia Ventura
Culturgest, Lisboa

Problemas do Primitivismo – a partir de Portugal


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

ANARCHIVAL FRAMES


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

11 Livros para 11 Artistas


COLECTIVA
Biblioteca de Alcântara, Lisboa

Acts of Transformation


FUTURA e REVOK
Galeria Underdogs, Lisboa

Nosso Barco Tambor Terra


Ernesto Neto
MAAT, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JÚLIA VENTURA

JÚLIA VENTURA 1975-1983




CULTURGEST
Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos, Rua Arco do Cego
1000-300 LISBOA

17 MAI - 29 SET 2024


INAUGURAÇÃO: 17 de Maio das 22h00 às 24h00 na Culturgest, Lisboa

Curadoria: Bruno Marchand



:::


O trabalho de Júlia Ventura constitui uma das mais poderosas reflexões que o contexto artístico nacional conheceu sobre as questões da identidade e sobre o papel que a imagem contemporânea nelas desempenha. O percurso expositivo que a artista tem vindo a desenvolver desde o início dos anos 1980, dentro e fora de portas, confirmou uma consistência crítica e programática que não fez quaisquer conceções no que diz respeito aos seus objetivos e à sua natureza conceptual. Nesta exposição faremos um mergulho nos primeiros anos de produção de Júlia Ventura, precisamente o período em que esses objetivos e essa natureza conceptual se definem. Aí descobriremos, não só o arrojo dos seus trabalhos iniciais, mas também o modo como a sua gramática se consolidou e se transformou no motor criativo que continua a produzir algumas das propostas mais contundentes sobre as problemáticas de género e representação.


:::


Júlia Ventura nasceu em Lisboa, em 1952. Formou-se em Pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa e tem o curso de Vídeo Arte da Universidade de Concórdia, Montreal, Canadá. Vive entre Lisboa a Amesterdão desde meados dos anos 1980. De entre as suas inúmeras exposições, destaque para as coletivas no Stedelijk Museum, Amsterdão (1991), Museo National Reina Sofia, Madrid (1997), MEIAC, Badajoz (2001), e para as individuais na Villa Arson, Nice (1989), Centro Cultural de Belém (1997), Musée d’art moderne et contemporain, Genève (2002). Em 2004, foi realizada uma antologia da sua obra na Fundação de Serralves e no Muller Museum, em Otterlo na Holanda.