Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

PARÓDIA CEGA


Emma Moro, Francisco Menezes, Léna Lewis-King e Vasco Barata
Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa

Coco Chanel, além da moda


Gabrielle Chanel
Centro Cultural de Cascais, Cascais

Teínas, Ossos e Outras Iguarias desenhos


Sandra Macieira
Tinta nos Nervos, Lisboa

REVOLUÇÕES (1960-1975)


Júlio Pomar
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Casa Vale Ferreira


João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira
Casa de Serralves, Porto

os dias estão numerados


Daniel Blaufuks
MAAT, Lisboa

Kubik Comporta Coletiva


COLECTIVA
Kubikgallery, Porto

The touching of the wound


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

Portugal Ano Zero: livros de fotografia da revolução


COLECTIVA
Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira

ÀS ESCURAS


Rosa Carvalho
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RENéE GAGNON

MU SEKE 75




SOCIEDADE NACIONAL DE BELAS ARTES
Rua Barata Salgueiro, 36
1250-044 LISBOA

19 JUN - 20 JUL 2024


INAUGURAÇÃO: 18 de Junho às 18h30 na Sociedade de Belas-Artes, Lisboa


:::


MU SEKE 75 reúne o registo fotográfico realizado por Renée Gagnon (Montreal, Canadá, 1942) entre 1975 e 76, dos musseques de Luanda. Estes registos fotográficos constituem-se como importantes documentos sociológicos, históricos e também artísticos, que se mantiveram inéditos até hoje.

Os musseques de Luanda eram construídos com uma grande diversidade de materiais recuperados que lhe davam consistência e resistência, mas, ao mesmo tempo, um ar frágil e precário: tonéis de vinho, bidons, caixotes de madeira de cerveja, chapas de artes gráficas, cartão, papel, plástico, ramos de árvores, tecidos, paus e terra misturados com argila, cimento, areia e algum tijolo. Os tipos mais comuns das habitações destes bairros, segundo o material de construção, eram as casas de barro, as casas de pau-a-pique, as casas de adobe e as casas de madeira e zinco.

Renée Gagnon tinha-se entusiasmado com a “arte dos detritos” que encontrou nos musseques e, preocupada que essas criações temporárias pudessem desaparecer, dedicou-se a registar as ruas e ruelas, caminhos e becos, bem como janelas, portas e paliçadas, dos musseques de Luanda, «marcas de um povo, (…) e memórias da extraordinária invenção (ou engenho) dos construtores anónimos do pau a pique, dos entrançados de latas, das tábuas pregadas» (Nuno Portas in Musseques. Pintura e Gravura Renée Gagnon, Luanda, Salão Internacional, 1980, s/p).

As decorações pormenorizadas destas frágeis construções fascinaram a artista, e, em plena guerra civil, com uma bolsa de estudos da Fundação Calouste Gulbenkian, desenvolveu um trabalho de pesquisa documental e plástica durante 18 meses sobre o tema Paliçadas dos Musseques de Luanda, do qual resultou este conjunto de fotografias a p/b, que as feridas do colonialismo condenaram ao anonimato, tendo ficado até hoje por publicar ou expor.