Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

PARÓDIA CEGA


Emma Moro, Francisco Menezes, Léna Lewis-King e Vasco Barata
Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa

Coco Chanel, além da moda


Gabrielle Chanel
Centro Cultural de Cascais, Cascais

Teínas, Ossos e Outras Iguarias desenhos


Sandra Macieira
Tinta nos Nervos, Lisboa

REVOLUÇÕES (1960-1975)


Júlio Pomar
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Casa Vale Ferreira


João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira
Casa de Serralves, Porto

os dias estão numerados


Daniel Blaufuks
MAAT, Lisboa

Kubik Comporta Coletiva


COLECTIVA
Kubikgallery, Porto

The touching of the wound


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

Portugal Ano Zero: livros de fotografia da revolução


COLECTIVA
Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira

ÀS ESCURAS


Rosa Carvalho
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

The touching of the wound




DUPLACENA 77
Rua Regueirão do Anjos – 77A


05 JUL - 20 JUL 2024


INAUGURAÇÃO: 5 de Julho às 19h00 na DUPLACENA 77, Lisboa

Curadoria: Maria Clara Lima e Ricardo Roseiro

Artistas: Astrid Chabot, Cinza Nunes, Francisco Rodrigues, Francisco Novais, Joana Coelho, João Galindro, João Lopes, Julia Sarturi, Maria Clara Lima, Natalie Demetriou, Rami Tannous e Ricardo Roseiro



:::


A exposição The touching of the wound, parte do conceito de ferida para transcender uma sua definição física, abarcando significados metafóricos e existenciais. Uma ferida pode ser vista como um corte, uma vulnerabilidade, que expõe o Ser a diversas formas de sofrimento, transformação e crescimento. Filósofos, escritores e artistas têm explorado essa metáfora para discutir a condição humana, a experiência do trauma, a possibilidade de cura e a resiliência. O objetivo de abrir esta exposição a uma co-curadoria realizada por um conjunto de jovens artistas e curadores, é proporcionar um espaço de reflexão e diálogo abordando múltiplas dimensões. Promovendo um sentido de pertença e empoderamento, esta exposição ressoa profundamente com a vontade de uma abertura ao diálogo com gerações mais novas, interligando o conceito de ferida com a prática da curadoria, permitindo uma abordagem poderosa que espelha o desejo de viver e caminhar juntos.

Ana Rito e Hugo Barata, Curadoria Geral Programa Videologias


The touching of the wound pretende trabalhar uma pedagogia do arquivo tornado público, enquanto dispositivo que educa para a diversidade de modos de ser e de agir no mundo. Para esta constelação de vivências, referências, e identidades, trabalha-se com um grupo de artistas que partilham a compulsão de colecionar imagens, em particular, as que documentam a não-normatividade, tema poético e iconográfico que nos é querido. Seduz-nos o erro, o indesejável, o feio, o grotesco, o desvio, o caos. Talvez pelas suas potencialidades estéticas, conceptuais e narrativas infindáveis e transgressoras e, por isso, libertadoras. Servimo-nos da alegoria de Narciso para falar de um mal que teima em assombrar-nos ciclicamente ao longo da História: voltarmo-nos para nós próprios com medo de que outro, em particular aquele que é considerado diferente, se aproxime demasiado de nós e nos toque. Os arquivos tornados públicos (no geral e nesta exposição) têm o condão de intervir no ciclo vicioso de violência e solidão que gera ainda mais violência e solidão.

Maria Clara Lima e Ricardo Roseiro, Curadores da Exposição