Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

A Incontornável Tangibilidade do Livro ou, o Anti-Livro


Coletiva
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Descolonizar os museus: isto na prática?


Seminário
ICS - Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Lisboa

OP-FILM: UMA ARQUEOLOGIA DA ÓTICA


Filipa César e Margarida Mendes
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Lançamento do livro


Teorias da Arte: do Modernismo à Actualidade
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

Mostra Ameríndia


Percursos do Cinema Indígena no Brasil
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

BoCA 2019


Inaugurações em Lisboa
Vários locais/Lisboa, Lisboa

PLAY IS A SERIOUS MATTER


Eduarda Rosa, Pollyanna Freire, Rita Thomaz e Laura Falé
Fundação Portuguesa das Comunicações,

Programa artístico


SALA DE JOGOS
POGO Teatro, Lisboa

«A shot in the eye»


Lançamento do livro
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

FADO MAIOR E MENOR


Raúl Ruiz
Cinema Monumental, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


LANÇAMENTO DA REVISTA PROPELLER # 3




A PADARIA DO POVO
R. Luís Derouet 20A
1350-135

20 FEV - 20 FEV 2019


Lançamento: dia 20 Fevereiro 18:00, às 21:00, na Padaria do Povo

Autores: Andy Mattern, As Toupeiras, Borja Larrondo & Diego Sánchez, Brian Frank, Cameron Lamothe, Daniel Blaufuks, Diogo Simões, Discipula, Ignasi Abali, João Pina, João R. Ferreira, Laura Chen, Marcelo Brodsky, Margarida Gouveia, Mauro Restiffe, Nuno Perestrelo, Pete Brook, Peter Bohler, Sara & André, Teresa Flores, Tim Hussin, Rodrigo Tavarela Peixoto, Teresa Flores e Victor del Rio.

Por propaganda entende-se a associação e/ou manipulação de alguns aspectos da realidade, com a finalidade de promover ideias ou doutrinas. Não temos a intenção de sugerir que a fotografia contemporânea se presta a este serviço. Contudo, notamos que nas últimas décadas, particularmente no campo do documental, a fotografia tem revelado algumas tendências que evocam a mesma estratégia linguística e demagógica que sustenta a propaganda política, i.e., toda a manipulação de ideias com potencial impacto naquilo que se entende por “bem comum”.
Cada vez parece mais evidente que a arte contemporânea, no Ocidente, não só problematiza a realidade, como vê nesse questionamento uma temática (obrigatória e necessária). Este compromisso com o real levanta algumas questões, nomeadamente: Como é que a arte pode tratar a realidade e ao mesmo tempo manter-se autónoma das condições moralizantes de uma realidade partilhada? De que modo a subjetividade das narrativas criadas pelas obras de arte se emancipam da retórica institucionalizada pela cultura vigente?

Sofia Silva, excerto do Editorial