Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

CONVERSAS FOTO-FÍLMICAS


com Rui Mourão
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

Paulo Brighenti em conversa com Miguel Mesquita


Encontr'Arte
Galeria Belo-Galsterer, Lisboa

Trazer a Margem para o Centro


Ciclo de conversas
Museu Coleção Berardo, Lisboa

O Génio de Leonardo da Vinci nos 500 Anos da sua Morte


Colóquio
Academia das Ciências de Lisboa, Lisboa

The artist as ethnographer


Conversas na Biblioteca de Arte
,

Manuel Rosa


Clareira Escultura 1984-2018
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Frente Decadente


Ciclo mensal
Desterro, Lisboa

Archiving Performance


Seminário
ESPAÇO ALKANTARA , Lisboa

Arquitectura Visionária


Visita guiada
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

Arquitetura da Contrarrevolução


Conferência de Samia Henni
CCB - Serviço Educativo, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


ANTÓNIO GUERREIRO, EMÍLIA TAVARES, JOAQUIM CAETANO E MARIA DE FÁTIMA LAMBERT

Conversa




ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR
Rua do Vale, nº7
1200-472 LISBOA

11 ABR - 11 ABR 2019


Conversa: 11 de Abril, às 18h30, no Atelier-Museu Júlio Pomar

No âmbito da exposição “Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero”, realiza-se uma conversa entre António Guerreiro, Emília Tavares, Joaquim Caetano e Maria de Fátima Lambert, que nos trazem outras perspetivas sobre o tema do silêncio e sobre as obras integrantes da mostra.

Através de diferentes propostas contemporâneas, este projeto curatorial procura refletir sobre a forma e o lugar do silêncio no mundo, tendo em conta que aparentemente este se tem tornado cada vez mais ruidoso. O título da exposição toma de empréstimo uma frase de Júlio Pomar, retirada de um capítulo do seu livro Da Cegueira dos Pintores, intitulado “Pisar o mesmo caminho”.