Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

In defense of Abstract Expressionism


II Ciclo Conversas na Biblioteca
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

1000 Pieces Puzzle


Bootcamp
Performact, Torres Vedras

Stephanie Hare


Human Entities 2019
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

Ana Borralho e João Galante


Romance Familiar
Culturgest, Lisboa

Conversa


António Guerreiro, Emília Tavares, Joaquim Caetano e Maria de Fátima Lambert
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Aulas Gratuitas


Contacto-Improvisação
Culturgest, Lisboa

Zama


Lucrecia Martel
Ar.Co Centro de Arte e Comunicação Visual (Xabregas), Lisboa

Se Fores Preso, Camarada…


Documentário
Cine-Granadeiro Auditório Municipal,

Concerto de Primavera



Museu do Oriente, Lisboa

SubLinhar


Marta Cerqueira
LU.CA - Teatro Luís de Camões, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


ANTÓNIO GUERREIRO, EMÍLIA TAVARES, JOAQUIM CAETANO E MARIA DE FÁTIMA LAMBERT

Conversa




ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR
Rua do Vale, nº7
1200-472 LISBOA

11 ABR - 11 ABR 2019


Conversa: 11 de Abril, às 18h30, no Atelier-Museu Júlio Pomar

No âmbito da exposição “Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero”, realiza-se uma conversa entre António Guerreiro, Emília Tavares, Joaquim Caetano e Maria de Fátima Lambert, que nos trazem outras perspetivas sobre o tema do silêncio e sobre as obras integrantes da mostra.

Através de diferentes propostas contemporâneas, este projeto curatorial procura refletir sobre a forma e o lugar do silêncio no mundo, tendo em conta que aparentemente este se tem tornado cada vez mais ruidoso. O título da exposição toma de empréstimo uma frase de Júlio Pomar, retirada de um capítulo do seu livro Da Cegueira dos Pintores, intitulado “Pisar o mesmo caminho”.