Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Revista Convocarte


Lançamento de vários números da revista
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Cine Voyage


Vítor Rua & Daltonic Brothers
Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande - Açores

Dulce d´Agro - uma história da Galeria Quadrum


Adelaide Duarte
Galeria Quadrum, Lisboa

CASA - TRABALHO - CASA


Catarina Real e Ângelo Cid Neto
L A P O, Lisboa

Apresentação da Revista Colóquio/Letras


Número 203
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Desenho e pintura sobre papel


Jorge Feijão
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

A Gruta | Theodora or The Progress: Becoming Dog


Elise Lammer, Lucien Monot, Julie Monot
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Let us devise an appropriate image!


Roger M. Buergel
Maumaus (Avenida António Augusto de Aguiar), Lisboa

Orinonauta


Tânia Carvalho
Culturgest, Lisboa

Conversas foto-fílmicas


Manual para enganar o cérebro: o cinema visto a partir da neurologia
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


VÍTOR RUA & DALTONIC BROTHERS

Cine Voyage




ARQUIPÉLAGO - CENTRO DE ARTES CONTEMPORÂNEAS
Rua Adolfo Coutinho de Medeiros, s/n
9600-516 SÃO MIGUEL, AÇORES

14 FEV - 14 FEV 2020


Concerto “Cine Voyage”: 14 de fevereiro, pelas 21h30



Cine Voyage
Vítor Rua e Daltonic Brothers


Este concerto de Vítor Rua é acompanhado pela projeção de filmes antigos, manipulados ao vivo, com grafismos feitos por João Pedro Gomes e Paulo Abreu. Debruça-se sobre isoladas experiências fílmicas/sónicas, onde cada fotograma/som é autossuficiente e independente dos outros. Imaginem um filme que não tem um início – apenas comece – que não tem um fim – somente pare. Um filme onde cada sequência de imagens existe por si só, em vez de participar em qualquer progressão.

O objectivo é o de a um fotograma, acrescentar um outro e depois outro e ainda outro, e por aí contiguamente, sem qualquer relação aparente entre eles, excepto o puro encanto de construir um abstracto encadeamento fílmico. Se os eventos imagéticos num determinado filme se “colam” aos outros numa ordem em particular, então é porque essa ordem teria obviamente de influenciar ou mesmo constituir o sentido da própria obra: abstrações poéticas, movendo-se, criando tempo – tornando audível e visível o tempo!

O “tempo” neste filme musicado, é um “tempo virtual”; por contraste, a sequência de actuais e concretos acontecimentos, é um tempo absoluto. Assim, o “tempo” torna-se na componente essencial para a compreensão deste espectáculo. Por conseguinte, os eventos fílmicos, tornam-se num fluxo e transformam-se numa série encadeada de eventos que contêm não só o Tempo como o modelam lentamente. O espectáculo deve ser entendido como uma sucessão de “momentos”, sem direcção ou movimento definidos e onde se viaja no Tempo: Passado & Futuro.

A sessão é iniciada com a curta metragem” Barba” de Paulo Abreu, musicada ao vivo por Vitor Rua, que improvisará sobre a banda sonora, também da sua autoria.


Composição : Vitor Rua
Guitarra & electronics : Vitor Rua
Daltonic Brothers (João Pedro Gomes e Paulo Abreu)

Manipulação video ao vivo
Imagem e montagem : Paulo Abreu
Motion graphics : João Pedro Gomes