Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

De que é feita uma coleção? Corpo e Matéria


Ciclo de conversas
Centro de Arte Contemporânea de Coimbra, Coimbra

Welcome to Paradise!


Luís Ribeiro e Raquel Guerra
Espaço MIRA, Porto

Cock, Cock… Who’s There?


Samira Elagoz
Lux Frágil, Lisboa

Atlântico


Tiago Cadete
Teatro Nacional D.Maria II, Lisboa

Anywhere Else


António Olaio
TAGV, Coimbra

CICLO DE FILMES


CAO GUIMARÃES
MAAT, Lisboa

All de light that's ours to see


Judith Barry e Giovanbattista Tusa
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

Jornadas Lúcidas *6*


Oh BLUE!
Oporto, Lisboa

Festival Imago Lisboa


Foto Book Market
Ateliers da Penha, Lisboa

Palavra à Mesa


Adolfo Luxúria Canibal, Marta Abreu, Ana Deus e Alexandre Soares
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


RICARDO JACINTO

Violoncelo Explodido: Fragmentação e Dispersão como estratégias para uma prática de improvisação site-specific




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 LISBOA

17 JUN - 17 JUN 2020


Conferência: Quarta-feira, 17 junho, às 17h, no Auditório do Museu. Entrada gratuita


Violoncelo Explodido: Fragmentação e Dispersão como estratégias para uma prática de improvisação site-specific
Conferência por Ricardo Jacinto


A música é uma prática temporal cujas raízes podem ser eminentemente espaciais. Esta tese enunciou um modelo conceptual e as manifestações práticas de um projeto de pesquisa no contexto da improvisação musical a solo, com base numa relação particular entre improvisação livre e práticas artísticas site-specific. As atividades de Ricardo Jacinto como violoncelista e artista sonoro com formação académica em arquitetura e escultura foram articuladas neste contexto para pensar a improvisação a solo através de um formato de apresentação híbrido, entre instalação e concerto, num tempo e espaço específicos.

Ricardo Jacinto é músico, artista plástico e arquiteto com pesquisa artística e académica focada na relação entre som e território em práticas transdisciplinares. É membro fundador e co-diretor artístico do colectivo OSSO, e é doutorado pelo Sonic Arts Research Center, Queens University Belfast. Desde 1998 tem apresentado o seu trabalho em exposições individuais e coletivas, concertos e performances em Portugal e na Europa, e tem colaborado extensivamente com outros artistas, músicos, arquitetos e performers. A sua música foi editada pela Clean Feed, Shhpuma Records e Creative Sources. É representado pela Galeria Bruno Múrias, e as suas instalações estão presentes em várias coleções nacionais. Foi co-representante de Portugal na 10.ª Bienal de Arquitetura de Veneza de 2006, e o seu trabalho foi apresentado em diferentes locais.


:::

Apresentada no âmbito do X Ciclo de Conferências Internacionais intitulado «Destacam-se os sons da noite funda», organizado pela Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias de Informação da Universidade Lusófona, em conjunto com o Museu Coleção Berardo.