Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Conversa “Octopus e Miopia”


Titos Pelembe, Ilídio Candja Candja
Galerias Municipais - Galeria Quadrum, Lisboa

ERNESTO DE SOUSA, SER MODERNO... EM PORTUGAL


Lançamento pelas EDIÇÕES DO SAGUÃO
Brotéria, Lisboa

Circle Navel Nil


Loretta Fahrenholz
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

Conferências MATLIT 2021


Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lisboa

COLÓQUIO


Ernesto de Sousa
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Trabalho de Inverno


Pedro Tropa, João Pimenta Gomes e Teresa Santos
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Ping! - Programa de Incursão à Galeria


Um Elefante no Palácio de Cristal
Galeria Municipal do Porto, Porto

FESTIVAL Y#17


FESTIVAL DE ARTES PERFORMATIVAS
Vários locais / Covilhã e Castelo Branco, Covilhã

EXIBIÇÃO DE FILMES


SARAH MALDOROR
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

CICLO CINEMA E FOTOGRAFIA


VISÕES ESPECTRAIS
Casa do Cinema Manoel de Oliveira, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


DASHA BIRUKOVA

Formula for Fantasy




GALERIAS MUNICIPAIS - GALERIA QUADRUM
Palácio dos Coruchéus, Rua Alberto Oliveira nº 52
1700-019 LISBOA

09 JUL - 09 JUL 2020


SCREENING Formula for Fantasy: 9 de Julho, às 21h no Jardim da Galeria Quadrum



Formula for Fantasy

Curadoria de Dasha Birukova

Filmes de:
Emily Wardill, James Richards, Mikhail Maksimov, Anna Studinovskaya, John Wood e Paul Harrison, Paul Spengemann, Dmitry Kavka, Sara Culmann e Gabriel Abrantes


Lotação da sessão: 23 pessoas (exige marcação prévia através do email: ritaduro@egeac.pt)




A fantasia é uma consequência especial da imaginação, o principal conteúdo dos processos mentais inconscientes, designação dos sonhos lúcidos e invenções. Lacan define fantasia como o suporte da suposta realidade, um cenário imaginário que dá estabilidade à existência humana e estrutura o nosso desejo. Ao mesmo tempo, a fantasia representa não só a estrutura da existência humana, mas também toda a base da existência da realidade social.

O real é uma espécie de entidade quimérica que não possui qualquer estabilidade ontológica, sendo um “evento” traumático, o ponto de falência da simbolização, produzindo a sua presença ilusória de alterações estruturais na realidade simbólica do sujeito.

A fórmula para a fantasia procurou criar um cenário imaginário que preencha a incerteza, a falha no desejo do Outro. A fantasia define o enquadramento em que o sujeito tem a capacidade de desejar.

O cenário imaginário do vídeo “Rosebud” (2013), de James Richards, é baseado num estudo de raspagens sobre papel que escondem – aliás, apagam – imagens eróticas em fotografias de Mapplethorpe, Tillmans ou Man Ray. Fetichisando um movimento de um conjunto restrito de imagens, o artista cativa o público para esta viagem de sensações.

“The Palace” (2013), de Emily Wardill, joga com a materialidade do “analógico” e a abstração do “digital”. Aqui o analógico projeta uma estética do digital, acompanhado de uma voz masculina que descreve os estados psicológico e percetual nos quais os pormenores concretos se tornam turvos, numa experiência de monocromatismo que impede a perceção das cores.

No seu filme “The Death of Father Men” (2018), Mikhail Maksimov conta a história de um neurocrime baseada na investigação da morte do padre Alexander, que o artista incorpora numa realidade virtual aumentada que reflete sobre a ideia de melancolia como um símbolo maior da cultura russa.

O cenário imaginário no filme de Anna Studinovskaya é baseado no conceito de técnicas de testes de confiabilidade avançada/testes de durabilidade avançada, os quais são desenhados para avaliar o conhecimento de um indivíduo dos requisitos de segurança para o transporte rodoviário de materiais perigosos, neste caso aplicados a seres humanos. O seu vídeo “ART / ADT” (2016) contempla a noção de harmonia futura na era pós-humana.

No seu vídeo “Car/Lake” (2014), John Wood e Paul Harrison desembrulham a matéria cinemática das imagens em movimento, explorando-a como se a analisassem ao microscópio, usando a paisagem como unidade de medida do movimento.

Em “Walking stick” (2017), Paul Spengemann cria uma criatura fantasmagórica que habita o mundo humano e fornece uma visão da possível existência de “outras” identidades.

A pós-realidade – mistura de realidade virtual e vida quotidiana – é um leitmotif na obra de Dmitry Kavka. Ao fotografar ou digitalizar objetos do mundo à nossa volta, o artista está a traduzi-los do mundo real para o virtual, retornando depois à realidade transformada na sua essência, com novas formas e propriedades. O seu vídeo “When will it end? Never” (2016) é a quinta-essência das paisagens pós-apocalípticas dos jogos de computador localizados nos subúrbios pós-soviéticos.

Sara Culmann utiliza conteúdos livres da Internet para criar um simulacro da realidade baseada nos clichés da produção dos meios de comunicação de massa. O seu filme de gângsteres apropriado “Copyleft production” (2014) irradia ansiedade e distanciamento, parasitando regras e perceções.

O filme de Gabriel Abrantes “Freud Und Friends” (2015) representa, com ironia, o seu inconsciente e transforma-o num anúncio ao Óleo de Banho de Pastel de Belém, que lhe permite usar um pouco de cozinha tradicional portuguesa na sua pele.

Dasha Birukova