Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Lançamento on-line de Mare Aethiopicum


Paulo Quintas
PLATAFORMAS ONLINE,

The Heretics


Joan Braderman
Cinema São Jorge, Lisboa

Sobre a nudez crua da verdade, o manto diáfano da fantasia


Doug Hall, Bill Viola, Akram Zaatari
MAAT, Lisboa

DRIFITING BODIES/ FLUENT SPACES


Encontro / Conferência
Vários locais / Guimarães, Guimarães

O vento do pensamento..., por Stefania Fantauzzi


Ciclo Imagens de Pensamento
Casa das Artes (Porto), Porto

Today, I am just a Butterfly...


Patrícia Almeida
Centro Cultural Vila Flor, Guimarães

Constelações III: uma coreografia de gestos mínimos


Curadoria: Ana Rito e Hugo Barata
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Under the Ground


ciclo de filmes de artistas e cinema experimental
Galeria Quadrum, Lisboa

Primeira lição de voo + O melhor mundo possível


Gustavo Sumpta
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Formula for Fantasy


Dasha Birukova
Galeria Quadrum, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


GUSTAVO SUMPTA

Primeira lição de voo + O melhor mundo possível




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

18 JUL - 19 JUL 2020


Performances: 18 e 19 de Julho às 17h30 e 18h20, no palco do Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian


Sessões
sáb, 18 jul / 17:30 – 18:20
dom, 19 jul / 17:30 – 18:20

Cada sessão está limitada a 23 espectadores. Entrada gratuita mediante levantamento de bilhete (máximo de 2 bilhetes por pessoa, por sessão)

Evento inserido no programa Jardim de Verão 2020.



:::


Primeira Lição de Voo. Pobre não tem metafísica
Gustavo Sumpta

Este projeto de 2007 nasceu durante o Case Study, orientado por João Fiadeiro no atelier RE.Al e que teve como objetivo de pesquisa a investigação realizada sobre o Método de Composição em Tempo Real.
Aqui faz-se uma pequena homenagem aos mestres do cinema mudo, enquanto se testa a resistência do material.


O Melhor Mundo Possível
Gustavo Sumpta

Da ideia que de um desenho bidimensional nasce uma forma tridimensional, procura-se aqui perceber quanto tempo pode durar uma mesma e única ação. Primeiro fabricam-se a vogais e só depois as consoantes, assim nasce este texto sem palavras.
Este projeto estreou na ZDB em 2003 no contexto do programa “Propostas para quem Dança”.




:::


Gustavo Sumpta (1970, Luanda) Vive e trabalha em Lisboa. Performer, artista visual e ator de cinema. Frequência do 1º ano do curso de História da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Curso Profissional de Intérprete do Balleteatro, Porto, Portugal. Trabalhou como intérprete e autor com o coreógrafo João Fiadeiro nas peças “Existência” de 2002 e “Para onde vai a luz quando se apaga” e "Case Study”, Re.al, em 2006.

Foi Professor no Departamento de Escultura no Ar.co em Lisboa do Curso de Escultura de 2009 a 2013. Em 2017 participou no Anozero em Coimbra “ Curar e Reparar” onde estreou a performance “ Levantar o Mundo”, no mesmo ano a sua exposição individual ” Die Zunge na den Gaumen nähen”, Rosalux - The Berlin-based art space, Berlim, Alemanha.

Em 2015 mostrou "Pó de Lâmpada” Festival Turbine Hall, Giswel, Suíça. “Comboio Fantasma”, performance de apresentação única na Calçada do Combro, Lisboa, Portugal em 2014. No ano de 2013 participou nas exposições coletivas “A Natureza ri da Cultura”, Museu da Luz, Alqueva, Portugal e “O Fim da Violência ” Museu Bernardo, Caldas da Rainha, Portugal. Em 2012 realizou a escultura para o espaço público “Sai da unhas” na Casa independente, Largo do intendente, Lisboa, Portugal. No ano 2010 fez a apresentação única da performance “A raiz da fruta”, Festival “Point d’impact”, Genève, Suíça. No ano de 2009 participou na Bienal Gyumri, Museu Etnográfico de Gyumri, Arménia. 2008 “Assim não vais longe”. Estreia no contexto do Ciclo performances apresentado no atelier Re al, do qual fizeram parte todos o trabalhos desde 2004. No ano de 2007 participou no “Prémio EDP, Novos artistas”, Central do Freixo, Porto, Portugal. Em 2005 apresentou a performance “Vitoria, vitoria, acabou se a história”, Toxic, Fundição de Oeiras. Portugal. E Lab 11 em 2005 no atelier RE AL.

Trabalhou como ator de teatro nos Artistas Unidos, em “BAAL” e “O Navio dos Negros” com encenação de Jorge Silva Melo. No cinema, trabalhou com José Nascimento, Bem Rivers e Gabriel Abrantes, João Botelho, Sebastião Salgado, Sandro Aguilar, Teresa Prata, Pedro Costa e Vasco Saltão.