Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Jornadas Lúcidas *6*


Oh BLUE!
Oporto, Lisboa

Festival Imago Lisboa


Foto Book Market
Ateliers da Penha, Lisboa

Palavra à Mesa


Adolfo Luxúria Canibal, Marta Abreu, Ana Deus e Alexandre Soares
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

O Acervo Manoel de Oliveira


Teresa Lima, Sónia Oliveira e António Preto
Casa do Cinema Manoel de Oliveira, Porto

OpenStudio19


Sofia Leitão e Diogo Guerra Pinto
Openstudio19, Lisboa

3.ª edição da TRAÇA – Mostra de Filmes de Arquivos Familiares


Marvila e Alvalade
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Conversas: Um Estado da Arte


Paulo Pires do Vale e Rui Chafes
Brotéria, Lisboa

Imago Lisboa Photo Festival


Conferência Clube Nadar
Fundação PLMJ, Lisboa

ARTHUR JAFA - THE DARK MATTER OF BLACK CINEMA


Ciclo de Cinema
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

3ª edição Feira Gráfica Lisboa


Continuar a Publicar!
Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


ENCONTRO / CONFERÊNCIA

DRIFITING BODIES/ FLUENT SPACES




VÁRIOS LOCAIS / GUIMARÃES



22 JUL - 24 JUL 2020


Encontro/conferência: 22, 23 e 24 de julho de 2020


DRIFITING BODIES/ FLUENT SPACES é um encontro/conferência que inclui palestras e mesas-redondas online, caminhadas em áudio globais e locais e áudio de documentos provenientes de todo o mundo. Durante a semana será possível assistir a entrevistas com o arquiteto Francesco Careri, o fotógrafo Duarte Belo e a artista e professora emérita Karen O'Rourke.

O evento é organizado pelo Lab2PT (EAUM/ICS) em colaboração com o Made of Walking e Câmara Municipal de Guimarães, com o apoio do Núcleo de Alunos da Escola de Arquitetura da Universidade do Minho, e decorre em formato online, mas também localmente, em Guimarães.

A participação é gratuita e aberta a todos os interessados. As inscrições para as palestras, mesas redondas e caminhadas deverão ser feitas através do e-mail walk.lab2pt@gmail.com



PROGRAMA:

Oficinas e Performances do Andar em GUIMARÃES – 22, 23 e 24 de julho de 2020
Conferência Virtual / Mesas Redondas VIrtuais – 22, 23 e 24 de julho de 2020


Mais informação: https://walk.lab2pt.net/pt/home/



:::


"Corpos à deriva / espaços fluentes" é um encontro internacional sobre caminhadas em relação aos corpos líquidos que cruzam a paisagem. Com foco em práticas de intermedia e incorporadas, o projeto possibilita um laboratório de criação e pesquisa sobre as relações entre caminhadas e derivas, sons e silêncios, lugares vazios e ocupados, espaços digitais e corporais e histórias do andar, suas narrações e traduções.

O objetivo é gerar e partilhar experiências coletivas e a documentação dos diversos processos nas paisagens urbanas e no cenário urbano de Guimarães, em particular. O projeto pretende explorar criticamente como os corpos e novas tecnologias trabalham juntos para produzir novas práticas no espaço e movimento público. Será dada atenção especial à exploração da cidade, que chama a atenção para as ações quotidianas das pessoas e as negociações dos espaços da cidade, revelando a potencialidade do lugar. Uma avaliação do lugar, na sua compreensão incorporada, procura revelar as suas qualidades particulares, examinar e comentar o seu papel na vida das comunidades locais e sugerir, também, formas inovadoras para o seu mapeamento.

A criação e a tomada de decisões colaborativas, o diálogo aberto das experiências e a documentação do processo são cruciais, pois estimulam o pensamento crítico sobre a arte e as experiências estéticas em relação à nossa vida quotidiana. Ao gerar encontros dialógicos transversais com os participantes, enraizamos a prática estética nas relações; com nós mesmos, entre nós e com espaços de transição, flutuamos e habitamos como fluidos, uma dinâmica em constante mudança.

Os caminhantes são criadores criativos de seus arredores; caminhar não aparece apenas como uma atividade reflexiva ou prática, mas também revela a ação daqueles que decidem seguir um caminho diferente, um desvio, dar um simples passeio ou até seguir em frente.