Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

CUMPLICIDADES - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa


3ª edição
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Open House Lisboa 2020


DESCOBRIR A CIDADE AO OUVIDO
Vários locais/Lisboa, Lisboa

“sou esparsa, e a liquidez maciça”: Gestos de Liberdade


Ciclo BUALA no MAAT
MAAT, Lisboa

FANTASMAS DO IMPÉRIO


Ariel de Bigault
Cinemateca, Lisboa

Ciclo de Cinema Lynn Hershman Leeson


Feira do Livro do Porto 2020
Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Porto

Workshop com Dora García


BoCA Summer School 2020
MAAT, Lisboa

Lançamento on-line de Mare Aethiopicum


Paulo Quintas
PLATAFORMAS ONLINE,

The Heretics


Joan Braderman
Cinema São Jorge, Lisboa

Sobre a nudez crua da verdade, o manto diáfano da fantasia


Doug Hall, Bill Viola, Akram Zaatari
MAAT, Lisboa

DRIFITING BODIES/ FLUENT SPACES


Encontro / Conferência
Vários locais / Guimarães, Guimarães

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


ARIEL DE BIGAULT

FANTASMAS DO IMPÉRIO




CINEMATECA
Rua Barata Salgueiro, 39 LISBOA
1269-059 LISBOA

28 AGO - 28 AGO 2020


FANTASMAS DO IMPÉRIO, de Ariel de Bigault
sexta-feira, dia 28 de agosto, 19h

sessão com a presença da realizadora


Em contexto do IndieLisboa 2020, a realizadora francesa Ariel de Bigault estará na Cinemateca para apresentar o seu mais recente filme FANTASMAS DO IMPÉRIO, um olhar sobre o imaginário colonial no cinema português com participação de várias realizadores e investigadores que trabalharam este tema.


SINOPSE
Fantasmas do Império explora o imaginário colonial no cinema português desde o início do século XX. 100 anos de cinema... Aos documentários e ficções que sustentam o enredo imperialista, contrapõem-se filmes e olhares contemporâneos.
Sete cineastas portugueses – Fernando Matos Silva, João Botelho, Margarida Cardoso, Hugo Vieira da Silva, Ivo M. Ferreira, Manuel Faria de Almeida, Joaquim Lopes Barbosa - abrem os cofres da memória cinematográfica colonial, dialogando com dois actores, Ângelo Torres, são-tomense, e Orlando Sérgio, angolano. Perscrutam o passado, real, reinventado ou recalcado que ainda hoje assombra as memórias: os mitos das descobertas, a ficção imperial, a fábrica da epopéia colonial, as máscaras da violenta dominação. José Manuel Costa, director da Cinemateca, e Maria do Carmo Piçarra, pesquisadora, trazem perspectivas na história da produção cinematográfica.
Juntando fragmentos cinematográficos heterogéneos e pontos de vista diversos, Fantasmas do Império foca as variações de olhares, especialmente sobre “o outro”, o “colonizado” de outrora, porém perene concidadão e conterrâneo da nossa comum humanidade. Jogando com ecos, contrapontos, contrastes entre situações, imagens, diálogos, músicas, propõe um enredo de imaginários e atitudes, de memórias e emoções.
Fica a interrogação sobre a persistência dos fantasmas no presente e no futuro cinematográfico...



ARIEL DE BIGAULT
Entre Portugal, Brasil, África, Ariel de Bigault, autora e realizadora francesa, tem percorrido as rotas da lusofonia. O percurso cinematográfico começou em Lisboa com a realização de documentários. O encontro com o Brasil deu-se pela investigação sobre a imagem do Negro, especialmente no cinema. A série documental Éclats Noirs du Samba (4 x 55', 1987), com Gilberto Gil, Grande Othelo, Martinho da Vila, Paulo Moura, Zézé Motta, e grupos da musica popular sublinha a força e a diversidade da criação afro-brasileira. Seguiram-se trabalhos de pesquisa e divulgação das músicas africanas contemporâneas, sobretudo lusófonas, com a realização da Antologia das Músicas de Cabo Verde 1959-1992 (2 Cds, 1995), de Músicas Urbanas de Angola 1956-1998 (5 Cds. 1999) e a promoção de artistas luso-africanos especialmente em França (Festival Atlântida, Paris, 1996 e 1997). O filme Canta Angola (58'. 2000) foca a resistência dos artistas da música popular – Carlitos Vieira Dias, Carlos Burity, Irmãos Kafala, Paulo Flores, Banda Maravilha, entre outros - A Televisão dos Angolanos (26'. 2006) analisa o espelho televisivo do país. Afro Lisboa (60'. 1996) revela rostos e vozes de diversas gerações da imigração africana - com Orlando Sérgio, entre outros. 10 anos depois, Margem Atlântica (57'. 2006) apresenta autores, actores, músicos de origens africanas – Mariza, José Eduardo Agualusa, Kalaf Ângelo, Ângelo Torres - à conquista de espaço e público para as suas criações afro-lusófonas.